terça-feira, 21 de setembro de 2010

VERSOS LIVRES # 08

Neste blog estou disponibilizando todas as edições do fanzine Versos Livres, editado em Guarulhos, São Paulo, cujo objetivo é a divulgação de poesias. No post de hoje , mais alguns poemas da edição nº 08.. As imagens que ilustram alguns dos poemas são de Claude Monet

versos oito 
____________________________________

“O silêncio não é uma ausência da fala, é o dizer tudo sem nenhuma palavra” ( Mia Couto) _____________________________________

SEM TÍTULO
Leda B.S. Figueiró

Vamos plantar
Para depois colher
Onde andamos
E só depois perguntar :
De onde viemos ?
E para onde vamos ?

A gaúcha Leda colaborou nas primeiras
edições do Versos Livres.

-

CRIANÇA
Hélio Militão

A expressão facial de criança
É natural . E nos transfere
Paz e carinho
A criança é sempre sincera
E não esconde duas faces
No seu bonito e inocente rostinho !

No sorriso da criança
Reside um encanto profundo
Que traz diferente emoção
Razão de ser .
E luz divina para este mundo !

A presença da criança
Nos transfere esperança e alegria
E melhora o nosso relacionamento
No dia a dia ..

Quem é mãe, Quem é pai
de verdade , cuida, cria ,
ama com total devoção ,
Com determinação , sem cansaço

Militão é de São Paulo . Sempre tem notícias
suas no blog http://ajebsp.blogspot.com/

monet2

SEM TÍTULO
Laércio Zaramella

Chuva rima com mãe
Se forra de nuvens cheias
Cheias de veias
De água que depois pingam
Gota a gota
se tornando um caudaloso rio
que fecunda toda a terra

Minha mãe cantava no caos
No incêndio de estrelas

Zaramella é colaborador do meu fanzine
desde os primórdios e se tornou meu amigo “postal”
e agora “virtual”. Colabora também com poemas
para o meu blog “Poetas de Guarulhos e Todo Verso”

monet-madamemonetandherson

PORTO INSEGURO
Benildo de Campos

No caminho há pedras
Pedras demais para contá-las
A vida é assim : uma Imensa Estrada
Tortuosa : eu bem sei ...

Sangram os meus pés ..

São tantos os espinhos
Que a Dor não me cala,
nem tampouco a Solidão
que invade minh’alma
e corrói todo o meu Ser
Na caminhada sem fim

Não há Porto e nem o Tempo
para chorar o que se foi ...

Sim, não posso parar..
Não posso..
Não posso..
Jamais...

Benildo é de Taubaté/SP

-

VELUDO VINHO
Marta Maria Margaritelli

Lábios veludo
Beijo paixão
Vinho vermelho.

Tenros lábios
Vinho tinto
Tinto sangue
Pele quente

Veludo Vinho
Olhos negros
Penetrantes.
Hipnóticos

Luar que embeleza
O delirante sonhador
O delírio do amor

Veludo vinho .
Palpitação
Meu abismo
Minha salvação

Vencedora de diversos concursos literários,e presença constante na cena alternativa é também autora dos livros “Sempre Haverá o Amanhecer”e “Melodia”, entre outros; Marta é de São Paulo/SP

*

Nenhum comentário:

Postar um comentário