sábado, 19 de março de 2011

VERSOS LIVRES # 32 -NONA PARTE

No post de hoje, a nona e última parte dos textos publicados no Versos Livres, edição 32 , com poemas de  Adriana Manarelli , Tom  e  Sophia de Mello B. Andersen . Como bonus e saideira , um poema de Otto Dusquene.  Sejam felizes !

VERSOS 32

JASMIM DO CABO
Adriana Manarelli

A alva noiva
perfuma e ilumina
A escuridão
Enquanto nas entranhas
A besta se revira,
Pomba amorosa,
Navega nos sonhos
De Sulamita e Salomão.

A alva noiva
Traz a liberdade dos que dormem
Ela premune as pérolas
E os ossos
E nem a lua
Está imune a ela.
Reflete a ampulheta
O confete e o caos,
As dunas
E a neve.

A alva noiva
Brilha nas sombras_
Em meio à casca oca
Sua grinalda
Petrifica as estrelas
Tornando-as pálidas,dispersas
e irrecuperáveis.

Adriana é de Araçatuba, SP. Outros poemas dela podem ser lidos no blog do amigo Everi Carrara ;  http://jornaltelescopio.blogspot.com

-

DARIO NO ANO
DA PESTE
Tom

Dario atravessa a cidade
carregando no bolso
um provisório
atestado de morte
nveja o sangue
do mendigo bêbado
na calçada.

Dario atravessa a tarde
sabendo que vai morrer
E se a infância tivesse sentido?
E se de repente ficasse louco?
E se o amor não se convertesse
num desastre?
E se Deus descesse do seu paraíso
para vir lhe apertar a mão ?

Dario atravessa a cidade
no ano da peste

O mineiro Tom, era editor do saudoso Tom Zine, que agora tem sua versão digital em Tom Zine - O Blog. Confira em http://paredesteto.blogspot.com

mulher7

UNIDADE
Sophia de Mello Breyner Andresen

Não se perdeu nenhuma coisa em mim.
Continuam as noites e os poentes
Que escorreram na casa e no jardim,
Continuam as vozes diferentes
Que intactas no meu ser
estão suspensas.
Trago o terror e trago a claridade,
E através de todas as presenças
Caminho para a única unidade.

http://www.mulheres-ps20.ipp.pt/SophiaMBreyner.htm#PoesiaOnline
http://pt.wikipedia.org/wiki/Sofia_de_Melo_Breyner

-
POR QUE NÃO ,ANTES ?
Otto Dusquene

ela não veio como eu esperava
mas em uma curva da existência
quando não havia mais credo,
esperança

quando veio, pensei ser tarde
que minha mediocridade
não se encaixava em sua beleza
esplêndida

quando surgiu, o que me restava
dizer? Mostrar?
O que fazer para ocultar
minha insignificância?

são mulheres assim
que tornam os homens melhores
que fazem os homens duvidar do nada
antever possibilidades,
mas "por que só agora?"

ela veio me resgatar
do abandono
sedar a dor
secar meus olhos
dar algum sentido
a tudo

veio simplesmente,
trazer uma palavra calma, cuidar de mim,
"chegar de beber, Duc, vem dormir, querido"

Saiba mais sobre o Otto, no blog dele :
http://ottodusquene.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário