quinta-feira, 12 de maio de 2011

VERSOS LIVRES # 18 - PARTE TRES

No post de hoje, poemas que foram publicados originalmente no fanzine Versos Livres, edição 18. E, de quebra  , um poema de Eliane Alcantara.  

- VERSOS 18

ENGRENAGEM
Bruno Candéas

Poesia
Não se entorna
se transforma.
Não se copia
cria– se.
Tem dedos nos pés
prá caminhar
na linha
sem desequilibrar.
Poesia é máquina
e pulsação.

Extraído do livro “Férias do Gueto”. Saiba mais em http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=1191
brunocandeas@bol.com.br

-

CÂNTICO II
Laércio Zaramella

O Espírito de Deus
soprou forte sobre a vida.
O estático se mexeu,
a Terra movimentou-se
em função dos feitos Divinos..

E paira sobre ela até hoje
o sopro Divino ;
que é eterno !!

Laércio é de Presidente Prudente, SP. Sempre colaborou com o Versos Livres, com poemas informações culturais e um braço amigo. 

-

SILÊNCIO
Marcela Vieira

o silêncio da noite
me faz chorar
vendi a minha alma
por tão pouco
e agora algo morreu em mim
a solidão invadiu todo o lugar
o que se esconde neste vazio ?

Extraído do fanzine "Lady Of The Flowers" . Endereço para correspondência :  R. Gotaru Suzuki, 131 - 06765.140 - Taboão da Serra - SP

Adiar-sentidos-de-vida-por-conjugar

ILUSÃO
Aila Magalhães

levar a vida
a conjugar o futuro
do pretérito

http://nossaspalavras.blig.ig.com.br
http://tamarindeiros.blig.ig.com.br

-

JARDINEIRO
Marina de Fátima Dias

Quisera eu ter tal poder
de seduzir-te por inteiro..
Ser a flor do teu jardim
Fazer de ti meu jardineiro

(in- memoriam). A saudosa Marina de Fátima Dias, era do Mato Grosso do Sul e uma das mais ativas participantes da imprensa alternativa, tendo colaborado com diversas publicações. Ainda coordenou uma antologia poética e mantinha correspondência com pessoas do Brasil inteiro. Marina ocupa  a Cadeira nº 11, da Academia Momento Litero Cultural, criada pelo jornalista e amigo Selmo Vasconcelos .

-

ÓTICA
Eliane Alcântara.

De tão clara
A luz se fez Poesia
E as trevas
Intervalo dos meus olhos
Desenharam o Poema
Para que a vida
Tivesse filhos
E em mim
Os versos que gritam
Não fossem órfãos.

http://www.eliane_alcantara.blogger.com.br

Um comentário:

  1. Antonio,

    Que maravilha entrar em um blog, onde a gente sorve tanta poesia!!!

    Adorei!!!!

    Um abraço!

    ResponderExcluir