quinta-feira, 30 de junho de 2011

VERSOS LIVRES 17 - PARTE DOIS

No post de hoje, poemas extraídos do fanzine Versos Livres, edição 17. E poemas  de Adriana Manarelli e  Iran Alves Pereira  roubado do blog Grupo de Poetas Livres.

versos 17

MEU AMIGO
Gilsete Marçal

Eu conheço um amigo
que sempre está comigo
Ele livra do perigo
e com Ele eu sigo
Esse amigo é Jesus
Ele livra da aflição
Ele é a nossa luz
na hora da escuridão

Gilsete é de Embu das Artes, SP e este é o único poema que ela me enviou . 

barra9me

QUADRA
Osael de Carvalho

Ao acordar de manhã
Em Deus pensei e orei
O valor da mente sã
Por todo o dia terei

http://www.revista.agulha.nom.br/1osael.html

barra9me

AINDA É NOITE
Larí Franceschetto

Nenhuma pa(lavra)
No verde quadro negro
Nenhuma pergunta
Na amarga manhã.
O jasmim no vaso
É um vazio pro(fundo).
Hoje, não tem aula
A noite levou
O Dia de Luz
Quase à meia– noite
Sob o olhar da lua
Pelas mãos de giz
- viagem atroz,
sem volta .
Ainda , é noite agora.

Larí, além de um poeta multi premiado , é um orgulhoso morador da cidade de Veranópolis, RS ,a terra da longevidade. Saiba mais em
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=140712&cat=Poesias&vinda=S

barra9memulher-cartier-017-g
barra9me

SEM TÍTULO
Eugênio de Andrade

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

http://www.astormentas.com/andrade.htm

barra9me

TREVAS
Marcela Vieira

as trevas
são o ambiente sagrado
das almas destruídas
pelo destino..

in: Lady Of  The  Flowers
R. Gotaru  Suzuki, 131 - 06765.140 Taboão  da Serra - São Paulo - SP

barra9me

RELÍQUIA
Painel da Reliquia livro detalhe
Adriana Manarelli

Laço de sangue
É também saber
Que a palavra detém o fluxo
E, ipso facto,
Assim se está mais perto
Da cordélia fulgurante.

A máscara
Que tinge
O final da aurora
Não fere a música
Por trás das sílabas
Pungentes vísceras cortantes,
Afinidade a fim —
Elemento infatigável.

A bruma
Destrói o viço
Mas não a pétala tuberosa.
A angélica flor da romãzeira
Campânula
Rosa castanha chá
Entrevendo
Centúrias rúbias
Prateando a nascitura ancestral
Negra lente tão clara.

http://geleiageneral.blogspot.com
Adriana é de Araçatuba, SP

barra9me

EM VIAGEM 
Ivan Alves Pereira

Espero ver cenas agradáveis
Até chegar a casa.
Estou no ônibus. Já vi hibiscos,
Telhados escurecidos, e até a
Lancha triste da Marinha
Que não me cumprimenta mais.
Vejo daqui de cima, da ponte,
A outra saudosa ponte esquecida
De luz, de Florianópolis
Em tratamento de terceira.
Eu e a ponte somos da terceira
E de treze de maio!

roubado do site Grupo de Poetas Livres
http://www.poetaslivres.com.br/

Um comentário:

  1. OI TOUCHÉ, MEU ABRAÇO. ADOREI LÊ-LO POR UNS MINUTOS.GRATO. CABRAL

    ResponderExcluir