domingo, 12 de junho de 2011

VERSOS LIVRES # 18 - PARTE NOVE

dia-dos-namorados3

Inicio o post de hoje,desejando a todos um feliz Dia dos Namorados, com muita alegria e poesia . No post de hoje, poemas que foram publicados originalmente no fanzine Versos Livres, edição 18 e uma mostra do trabalho da excelente  Eliane Alcântara .

93

FRAGMENTO
Maria do Socorro Xavier

"..Planos se desfazem
ao sabor dos ventos
Só fica a semente
a germinar
noutras gerações .."

(do poema Morte)
Mais informações sobre a poetisa de João Pessoa,
AQUI.. 

93

FRAGMENTO
Rene Costa

.. eu, ante a natureza
e sua realeza, extasio-me
e penso, repenso,
quão sábio é Deus... "

(do poema "A Floresta")
Extraído do Boletim Literário Notícias da Corte de Solimões , editado por  Raimundo Colares Ribeiro . O endereço do Boletim é  Rua Corte do Solimões,106 - Conjunto  Canaã -  Alvorada I - 69480.000 - Manaus - AM  . Raimundo Colares é presidente da  Academia Amazonense Maçônica de Letras e membro do  Conselho Estadual de Cultura, da Secretaria de Estado de Cultura, do Estado do Amazonas , setor Literatura.

93

TROVA
Milton Dias Fernandes

Todo ano esse primor
de estação, o quadro enfeita.
É a Primavera, em flor,
de tanto encanto - a colheita !

O poeta Milton é  Itajubá , MG

93

revolta

93

TROVA
João Batista Serra

A revolta faz a gente
em certos casos, capaz
de deixar o Onipotente
e seguir o Satanás

O amigo João Batista, é também editor da revista independente  "O Patusco" , cujo endereço para contato é  Caixa Postal 95 - CE - 61600-000. Confira uma pequena biografia dele  em http://www.falandodetrova.com.br/site/joaobatistaserra

93 

TROVA
Walter Rossi

Se a vida fosse escolhida
pensando em ser diferente
eu não tinha outra saída :
revive-la novamente

Walter Rossi é de São Paulo. Mais informações em
http://www.revista.agulha.nom.br/wrossi.html

93

PRISÃO FINAL
saudadespoemaeliane
Eliane Alcântara.

Ainda apegada aos vitrais de teus olhos
Ardo à doçura navio de infinitas viagens
Rosais e espinhos encobertos de carne
Aves marítimas no pôr do tempo
Dias doídos feitos de ausência e silêncios.

Vento um raio intempestivo para que não partas
Luar de um vulto sorridente em minhas mãos.
Noveno a vida um arco sem túnel aberto
E rogo que tu fiques a parir-me único oceano
Na liberdade de encontrar-se ilha, recanto.

Folhas desprendem lágrimas na dor da falta,
Cigarras costuram a divisa saudade montanhas e mar,
Coral de nuvens persegue-me indefesa pomba sem ramo,
Desolada fêmea a buscar brisa no calor das penas
Onde distante vagueiam teus passos dentes/pêlos.

Braços meus enlaçam os meus, sobra de mim,
Lança sem ponta porta do fim natureza execrada,
Desordem no cor-de-rosa do amor desesperado
A reluzir outras cores no íntimo de quem vazia morre
Triste desimportância em teus olhos vitrais.

http://www.eliane_alcantara.blogger.com.br

VERSOS 18

Um comentário:

  1. Amigo Antonio, como sempre seu blog me surpreende!
    Esses novos versos livres estão muito bons!
    Destaque para Trova, do Walter Rossi!
    Estou com uma poesia nova também!
    Podes vê-la no http://www.camarabrasileira.com/ourop11-060.htm
    e posteriormente irei publicá-la no blog que você já conhece, o www.heytorcostaneco.blogspot.com
    Um abraço

    ResponderExcluir