quinta-feira, 9 de junho de 2011

VERSOS LIVRES # 18 - PARTE OITO

No post de hoje, poemas que foram publicados originalmente no fanzine Versos Livres, edição 18 . E ainda, poemas de Adriana Manarelli, poetisa de Araçatuba e de Doroni Hilgenberg, do blog Estrelas.

VERSOS 18

TROVA
Mac Dowell P. de Brito

Amor é palavra doce
que sequer gênero tem
sendo pois comum de dois
como aos corações convém

Extraído de  Boletim da UBT - Seção Recife - Saiba mais ,aqui no site do Jornal Carranca.

 annbar13xb

SEM TÍTULO
Edvandro Pessoato

traço um caminho distante
em passo descompassado
com horizontes e tempo ;

afio os dentes na vida
prá roer sem nostalgia
cada palmo de memória..´

Edvandro Pessoato é cearense de nascimento mas há muitos anos vivem em Belém do Pará. Em Belém, Edvandro integra a Malta de Poetas Folhas & Ervas, entusiastas da palavra dedicados à causa da poesia. ( fonte: Editora Paka-Tatu)

annbar13xb

REFLEXÃO
Larissa 2B

Insinuações propositais,
olhares declarantes.
Pessoas que passam,
por passar.
Pessoas que olham,
por olhar.
Pessoas que falam,
por falar.
Tudo é relativo,
Nada tem nexo.

Larissa é de  Jaguariuna - SP, e durante algum tempo, foi colaboradora do fanzine Versos Livres, com textos e sugestões

untitled

FRAGMENTO     
Maria de Lourdes Piton      

"..Eu quero apanhar o fruto
que amadureceu mais alto
Para que o sumo da vida
não se misture na areia.."

(do poema "Agosto" )
Maria L. Piton, é natural de Barretos (SP) e reside em Olímpia. Licenciada em Filosofia pela PUC de Campinas,é  membro da Academia Barretense de Cultura,

annbar13xb

CORAÇÃO DE SABEDORIA

FESTIVAL DE LAMMAS
Adriana Manarelli

A cada esgar de prata
O funeral de um medo.
Na teia translúcida
Se recolhe, o inatingível.
As tempestades
São apenas o refugo
De núcleos obsoletos.
Essa terra não vela natimortos.
Na arena enferrujada
De cadáveres rubro-negros,
A tuculência aborrece e dorme.
Na imersão límpida a percepção profunda,
Depressões, cabelos de espuma,
Sabedoria real do absoluto.
Isso é o dogma:
Desafia as perguntas —
Indiscutível nesga
Na pele de léguas tórridas.
Achincale dourado
Sobre tudo,
Cada vez mais
Até a perfeição
Do silencioso
Alvo.

13/ 02 / 2011. Adriana já esteve várias vezes nesse blog e seus poemas foram publicados no fanzine. Ela é de Araçatuba e tem mais trabalho seu no blog do amigo Everi Carrara.  

annbar13xb

NUANCES
DORONI HILGENBERG

QUE IMPORTA
A GRANDEZA DE UM RIO
QUANDO A MAGIA DE UM LAGO
JÁ NOS BASTA...

MAS É PRECISO ASSUMIR-SE
COMO UM LAGO
PARA TER-SE A GRANDEZA
DE UM RIO!

roubado do blog Estrelas ,
http://doronihilgenberg.blogspot.com/

Um comentário:

  1. Antonio,

    Me deparei com essa frase e fiquei por alguns momentos meditando sobre essa grande verdade:


    QUE IMPORTA
    A GRANDEZA DE UM RIO
    QUANDO A MAGIA DE UM LAGO
    JÁ NOS BASTA...

    Sim, isso já me basta!

    Um grande abraço e obrigada pelo carinho de sempre!

    ResponderExcluir