domingo, 16 de outubro de 2011

VERSOS LIVRES #33 - PARTE QUATRO

No post de hoje, alguns poemas publicados na edição nº 33, do fanzine Versos Livres, editado em Guarulhos, SP. E ainda poemas extraídos da correspondência enviada para a redação do Versos. 

Significado-dos-nomes

EIS
Aricy Curvello

eis, mais que os nomes do nada,
menos que os nomes de tudo.
só alguns píncaros
pouco demais do mundo.
eis, dificuldade,a louca recusa
de compreender que é breve
               a eternidade.

eis, linguagem que vivemos,
( a linguagem que nos vive)
o ser, a casa,
o lugar-pátria :
eis todo o teu universo,
dicionários
& enciclopédias
como alicerces

-

HAI CAI
Débora Novaes de Castro

sol nascente    
licores de pitangas
manhanzinha

in: "Linguagem Viva"
R. Herval, 902 - São Paulo - SP
03062.000 - www.linguagemviva.com.br 
-

VELHOS GUARDADOS
Maura Soares

Na velha caixa quase se desmontando,
antigos papéis.
Guardadas no fundo do armário junto a roupas
em desuso, cartas amarradas em fita lilás.
Ela pegou o pacote, desatou a fita
e as lembranças saltaram das palavras
escritas em letra fina e inclinada.
Antigo amor, que desfilou em textos romãnticos
palavras de submissão a um sentimento
que desejava fosse eterno.
Mas...as coisas mudam.
As palavras ficaram guardadas
nas velhas cartas e o amor, antes eterno,
feneceu nas letras que o tempo
se encarregou de desbotar.

extraído da revista Ventos do Sul
Av. Patrício Caldeira de Andrada, 581/306
Residencial Victória - Bairro Abraão - Florianópolis
SC - 88085.150 - www.poetaslivres.com.br

-

copa-fragil-24-9

FRÁGIL
Jorge Fróes

Andava como se pudesse
subir ao alto de um prédio
e de lá pular, ou então
jogar-se á frente de um carro.
Um amor ferira-lhe terrívelmente
o coração. E a dor
de um coração ferido
é como algo que se guarda
em vidros de conservas.

in: Fenestra Literatura,
R. Eng. Antônio C. Tibiriça, 320/302
Jd Botânico - Poá - RS - 90.690-040

-

QUADRA
Humberto Del Maestro

Amo o céu, a flor, o mar
amo a praia luzidia.
Por isso é que o meu cantar
vem repleto de poesias.

Vitória/ ES

-

MÃOS
Yolanda Montenegro

Tuas mãos deslizam
Suavemente em minha pele
Como a brisa da tarde
Encrespa o manso lago
Súbito a brisa transformada
Em vento revolve-se em furação
Sublimando dois seres
Em um só elemento
Na fúria da criação

Poesia publicada na folha literária "Meya Palavra". Enviada para a redação do Versos Livres pelo seu coordenador José Deusdedit Rocha, de Fortaleza/CE.  Confira outros poemas enviados , no meu outro blog, na seção Correspondências Recebidas, em http://poetasdeguarulhoseoutrosversos.zip.net/arch2011-10-01_2011-10-31.html#2011_10-08_00_19_06-6846865-0

Nenhum comentário:

Postar um comentário