sábado, 30 de abril de 2011

VERSOS LIVRES # 19 - PARTE CINCO

No post de hoje , alguns poemas publicados no fanzine Versos Livres, edição 19 . Na saideira,  um poema da sensual Eliane Alcantara. 

Sem título

SEM TÍTULO
Cecília Fidelli

A saudade,
ante a eternidade
é um espaço de minutos.
Quando nossos olhos se
encontrarem outra vez
teremos vencido a distância
e alcançado a eternidade.

(in "Coisa Nossa", ed. opção2 )
Cecília é de Itanhaem, SP e referência na cena alternativa. Seus poemas estão disponíveis em 
http://ceciliafidelli.blogspot.com

-

ENCANTOS E DESENCANTOS
Rosemary Lopes Pereira

" .. Manhã de inverno. De um lado a carência. Do    outro a opulência. Não é esmola. É uma atitude. Em defesa do irmão. .. Carência de   agasalho. Que  aqueça o    coração. Quisera apagar o cinza. Pintar de azul o rosto da manhã. ...Convidar a   ternura. A coragem de ser justo.... E descobrir nesse burburinho. De idéias e    sedução. O verdadeiro sentido da vida. Dentro do projeto do Criador. "

( trecho) : in " Radar “ -  caixa postal 601 - Apucarana– PR - 86800-970

-

FRAGMENTO
Luís de Camões

De amor e seus danos
Me fiz lavrador ;
Semeava amor
E colhia enganos

-

mulher no barco ao por do sol

MATINAL
Emílio Moura

Sobre as ondas mansas
brincam os barcos.
Diante dos meus olhos
matinais, as coisas
se ordenam simples
e perfeitas : o céu, 
o mar, teu corpo.

Ah , o teu corpo !

Meus olhos brincam
sobre o teu corpo
Nenhuma nuvem
na minha alma

-

PORTA DO CAVALO
Sammis Reachers

Eu sonhei com uma Porta
por onde, em eu passando,
Ela segurava ( em  suas
malhas de amor)
todos os meus erros, cada encarniçado pecado.

Eu sonhei uma Porta
- e ela agora é -
que me cortasse
as correntes
à todas as âncoras

Sammis é de São Gonçalo, RJ.  Esse poema foi extraído da sua publicação " Portas de Jerusalém ". Segundo um artigo do Pastor José Valente, no Recanto das Letras, a Porta dos Cavalos é assim explicada :  “Desde a porta dos cavalos repararam os sacerdotes, cada um defronte da sua casa”(A Porta dos Cavalos (Ne 3.28). Naqueles dias, os cavalos eram peças essenciais nas guerras, sem os quais os carros  não poderiam andar. Os cavalos simbolizavam as guerras, as batalhas, as lutas, enfim, as conquistas dos povos! .  Espiritualmente, traz-nos à lembrança o imensurável amor de Deus que deu o seu unigênito Filho para levar sobre si as nossas cargas de pecado, de doenças, de possessões (Jo 3.16 e Is 53.4)."

-

FRAGMENTO
Ferreira Gullar

A palavra erguida
vigia
acima das fomes
o terreno ganho.

-

PASSA (O) TEMPO

eternidade
Eliane Alcântara.

Trabalhei um pensamento
Para criar um instante
Que me fosse eterno.

De nada serviu tanto empenho
Se quando desisti
Descobri no silêncio:

A eternidade das coisas
Não dura mais
Que o atual momento.

http://www.eliane_alcantara.blogger.com.br/

-

terça-feira, 26 de abril de 2011

VERSOS LIVRES # 19 - PARTE QUATRO

No post de hoje , alguns poemas publicados no fanzine Versos Livres, edição 19 . E ainda poemas de Adriana Manarelli  e de Adão Wons. 

Sem título

CALE-SE E AME
Fátima Segatto

Para que falar
se o silêncio diz mais
pelas curvas dos caminhos
dos corredores só de medo
de paredes enegrecidas.
Com pensamentos ausentes
junto a nós anda o mundo
eu, procuro meu espaço
e te perco no labirinto.
Para seguir minha vida
aflita ando a passo
com medo ou covardia
apago minha imagem
do espelho
Com olhos tristes e lúcidos
escondo-me no teu abraço
perdida em minha vida

(do livro “Conquistando Mais Amizades Do Que Solidão IV)
Fátima Segatto edita há muitos anos a coletânea   "Conquistando... ", com participação de escritores de todo o país. Todo mundo que escreve pode participar. Basta enviar uma carta para Fátima, no endereço  Av. N.S.Medianeira, 2017/04 - Centro - Santa M
aria - RS - 97060.001. Mais informações sobre a escritora em
http://www.mensagensvirtuais.xpg.com.br/eu.php?id=66111

PUREZA
Ivone Vebber

Deus não olha
minha aparência
se sou feia ou bonita
se católica ou budista
se fria ou quente
Deus só vê a luz
na minha mente
a qual reverencia
em silêncio
e alegria

A gaúcha Ivone, além de escritora, é astrologa. Editou durante anos o premiado jornal Entre Amigos. Mais informações em  http://blog.clickgratis.com.br/bigrendaextra

*

SEM TÍTULO
Almir de Carvalho Filho

se um pássaro é preso,
qual foi o seu crime ?

http://www.carpediemvivaavida.blogspot.com/

*

mae_negra_g

SEM TÍTULO
Arlindo Nóbrega

mãe,
quem a tem,
a beije .
quem não a tem como eu,
ore hoje e sempre

O paraibano Arlindo Nóbrega, é editor do jornal Literarte-SP e, entre outras atividades culturais, presidente da FEBAC, Federação Brasileira de Alternativos Culturais. Conheça o Literarte em http://jornalliterarte.blogspot.com/

*

ANTI FÍSICA
Touché

teu  amor  ocupa
o espaço . da ausência
dos  meus  sentidos

Touché é de Guarulhos,SP e editor deste blog.
touche.sp@uol.com.br 

*

AR-TESÃO
Marilda Confortim 

tua língua-cinzel 
em riste, restaurando-me .
pietá ! !

http://twitter.com/mipoetrix

*

ESPETÁCULO

img013
Adriana Manarelli

A ousadia, pensava,
Embalava o fim  de uma era.
De repressão e distorção da identidade.
E a oprimida cinzenta
Num interlúdio paradoxal
Desabrochou um embrião corporificado.

Aspiro o puro veículo acumulado,
Rota de fuga singular,
Centro magnético
De perplexa subjetividade.
Esta manhã quero esse gótico
Azul, feito de abóbora de ocre à tarde.
Quero esse apinhado de brocado: noite
Dos olhos de Irina da noite.

De rígidas estruturas passivas
A singular alteridade
Grunhiu espontânea:
A destemida Laélia
No gemedouro do universo.
A terra, os cabelos de açucena,
Os interlúdios de primazia,
O soberbo sol de ébano
Tombando Órion,
Sobre o espaço da verve.

Adriana Manarelli é da cidade de Araçatuba, SP. Outros poemas dela podem ser apreciados no blog Jornal Telescópio, do advogado Everi Carrara, em http://jornaltelescopio.blogspot.com/2011/03/adriana-manarelli.html

-

Tudo em mim1
Extraído do blog de Adão Wons
http://adaowons.blogspot.com/
Adão é editor do jornal Coitiporã Cultural 

segunda-feira, 25 de abril de 2011

VERSOS LIVRES # 18 - PARTE UM

No post de hoje, poemas que foram publicados originalmente no fanzine Versos Livres, edição 18  e de Adriana Manarelli, extraído do site Telescópio Negro . Na saideira, um poema meu  . 

VERSOS 18 

AGORA
NÃO MAIS AGORA
Aricy  Curvello

o implacável ardor que é viver
enquanto grassa
tudo o que passa

implacável ardor
que não se cansa
na linha do destino o fogo  dança
o implacável ardor apenas dança
o sonho a cada sonho 
mais informe
a vida mais torta a cada vida
eu te amei mais do que te amava
amor com amor se apaga
outras maçãs outras manhãs
anos enganos
sobre o fio da navalha dança
o vacilante coração do instante

Aricy é referência no poema contemporâneo. Mais informações sobre esse excelente poeta no Jornal da Poesia 
 

-

AOS VÍCIOS
Gregório de Matos

Eu sou aquele que os passados anos
Cantei na minha lira maldizente
Torpezas do Brasil, vícios e enganos.
E bem que os descantei bastantemente,
Canto segunda vez na mesma lira
O mesmo assunto em plectro diferente.

Já sinto que me inflama e que me inspira
Talia, que anjo é da minha guarda
Dês que Apolo mandou que me assistira.
Arda Baiona e todo o mundo arda
Que a quem de profissão falta à verdade
Nunca a dominga das verdades tarda.

Nenhum tempo excetua a cristandade
Ao pobre pegureiro do Parnaso
Para falar em sua liherdade.
A narração há de igualar ao caso
E se talvez acaso o não iguala
Não tenho por poeta o que é Pegaso.

De que pode servir calar quem cala?
Nunca se há de falar o que se sente
Sempre se há de sentir o que se fa1a.
Qual homem pode haver tão paciente,
Que, vendo o triste estado da Bahia
Não chore, não suspire e não lamente?

Isto faz a discreta fantasia:
Discorre em um e outro desconcerto
Condena o roubo, increpa a hipocrisia.
O néscio, o ignorante, o inexperto
Que não elege o bom, nem mau reprova
Por tudo passa deslumbrado e incerto.

E quando vê talvez na doce trova
Louvado o bem e o mal vituperado
A tudo faz focinho, e nada aprova.
Diz logo prudentaço e repousado:
-Fulano é um satírico, é um louco,
De língua má, de coração danado.

Néscio, se disso entendes nada ou pouco,
Como mofas com riso e algazaras
Musas, que estimo ter, quando as invoco.
Se souberas falar, também falaras
Também satirizaras, se souberas
E se foras poeta, poetizaras.

A ignorancia dos homens destas eras
Sisudos faz ser uns, outros prudentes,
Que a mudez canoniza bestas feras.
Há bons, por não poder ser insolentes,
Outros há comedidos de medrosos,
Não mordem outros não  por não ter dentes.

Quantos há que os telhados têm vidrosos,
E deixam de atirar sua pedrada,
De sua mesma telha receosos?
Uma só natureza nos foi dada
Não criou Deus os naturais diversos;
Um só Adão criou e esse de nada.

Todos somos ruins, todos perversos,
Só nos distingue o vício e a virtude,
De que uns são comensais, outros adversos
Quem maior a tiver do que eu ter pude,
Esse só me censure, esse me note,
Calem-se os mais chitom, e haja saúde.

-

MALANDRAGEM
Cazuza / Frejat

Quem sabe eu ainda sou uma garotinha
Esperando o ônibus da escola sozinha
Cansada com minhas meias três-quartos
Rezando baixo pelos cantos
Por ser uma menina má
Quem sabe o príncipe virou um chato
Que vive dando no meu saco
Quem sabe a vida é não sonhar

Eu só peço a Deus
Um pouco de malandragem
Pois sou criança e não conheço a verdade
Eu sou poeta e não aprendi a amar

Bobeira é não viver a realidade
E eu ainda tenho uma tarde inteira
Eu ando nas ruas, eu troco um cheque
Muda uma planta de lugar
Dirijo meu carro
Tomo o meu pileque
E ainda tenho tempo pra cantar

mulher-escrevendo-no-jardim-pintura-sem-nome-de-autor


SEM TÍTULO
Telma Scherer

nesta faina de escrever
me perco em melodias
em cefaléias vãs
procuro o poema puro
desfaço os feitos
refaço defeitos
procuro o barulho da chuva
desligo o som
alivio a pressão nas têmporas
depois volto na velha teima
e teimo comigo e com outros
que nem sei se lerão
algum dia
faço-desfaço
tento dormir meu sono-verso
mas sempre uma palavra
incomoda
e traz de volta o berço
do rarefeito, no ar .

Extraído do jornal "Vaia", de Porto Alegre, RS. Mais poemas da gaúcha Telma, vocês podem ler no blog dela em http://telmascherer.blogspot.com/ 

-

CONVITE À MARÍLIA
Manuel Maria Barbosa du Bocage

Já se afastou de nós o Inverno agreste
Envolto nos seus úmidos vapores;
A fértil Primavera, a mãe das flores
O prado ameno de boninas veste:

Varrendo os ares o sutil nordeste
Os torna azuis; as aves de mil cores
Adejam entre Zéfiros, e Amores,
E toma o fresco Tejo a cor celeste:

Vem, ó Marília, vem lograr comigo
Destes alegres campos a beleza,
Destas copadas árvores o abrigo:

Deixa louvar da corte a vã grandeza:
Quanto me agrada mais estar contigo
Notando as perfeições da Natureza!

-

CORAÇÃO DE SABEDORIA
Adriana Manarelli

A cada esgar de prata
O funeral de um medo.
Na teia translúcida
Se recolhe, o inatingível.
As tempestades
São apenas o refugo
De núcleos obsoletos.
Essa terra não vela natimortos.

Na arena enferrujada
De cadáveres rubro-negros,
A tuculência aborrece e dorme.
Na imersão límpida a percepção profunda,
Depressões, cabelos de espuma,
Sabedoria real do absoluto.

Isso é o dogma:
Desafia as perguntas —
Indiscutível nesga
Na pele de léguas tórridas.
Achincale dourado
Sobre tudo,
Cada vez mais
Até a perfeição
Do silencioso
Alvo.

Extraído do site Telescópio Negro do ativista cultural e advogado Everi Carrara.  A poetisa Adriana é de Araçatuba, SP.

-

VELHOS AMIGOS
Touché    

revivemos o passado
e entre risos paramos o tempo .
sobre o futuro : só
o que irá em nossas lápides

touche.sp@uol.com.br
http://poetasdeguarulhoseoutrosversos.zip.net

terça-feira, 19 de abril de 2011

VERSOS LIVRES # 19 - PARTE TRÊS

No post de hoje , alguns poemas publicados no fanzine Versos Livres, edição 19 . Aproveito o espaço para postar um poema meu e de Eduardo Nagai,do blog Andarilhagens.

Sem título 

LEVEZA
Luiz Fernandes da Silva

Não sou apenas
relógio controlado
pelo ritmo
no universo de
minhas mãos
e nem desenhando
as esferas das dimensões.
Sou
horas vazias
caminhando e recolhendo
as âncoras da só(lidão)

Luiz é de João Pessoa , Paraíba. Além de poeta, também edita fanzines.

_____

SEM TÍTULO
Glenda Maier

Se eu pudesse encontrar
o momento impossível..
Ficaria serena
e seria o sorriso
da Vida

A carioca Glenda , além de poetisa é uma excelente crônista. Conheça algumas de suas crônicas AQUI pf
_____________

SEM TÍTULO
Arthur Filho

Um dia,
fiz o poema certo
na hora errada.
Noutro,
fiz o poema errado
prá pessoa certa.
E, assim,
uns dias não fiz
poemas
só disse coisas

Arthur é de Porto Alegre,RS. Publica há alguns anos, o jornal cultural O Mensageiro. é um editor corajoso, como você pode conferir nesse artigo de Tony Fernandes :
________________
pais-e-filhos-quentes-ou-frios 
*            *             *

FILIAÇÃO CÓSMICA
Ari Lins Pedrosa

Sou filho d´ milagre d´ século,
...............
Sou filho d´ um gênio
acorrentado por bilhões d´ anos,
mas agora,
poderoso e forte,
perante dos deuses desta
humanidade.
Sou filho d´uma nova combustão,
físico- química.
Sou filho d´rosa carnívora
D´ s jardins d´Hiroshima
e Nagasaki
Sou filho d´egoísmo humano,
pelo poder transcendental.

Tem outros poemas dele AQUI VS
_________________

SEM TÍTULO
Rose de Arruda

Quando você atravessar
desta dimensão para o além, tente se direcionar
retamente, sem pensar em nenhuma curva
ou esquina...
procure achar o rastro de Jesus e seus discípulos..
passe uma esponja na mente e esqueça o que
aqui deixou...
com certeza, isso só lhe fará bem.

Rose é Cuiabá, MT
http://bugresiaecultura.ning.com/forum/topics/mulheres-rose-de-arruda

____________

mulher espada

LÂMINA
Eduardo Eide Nagai

Da lâmina da vida,
não se escapa
de uma hora
pra outra.

Tampouco,
a vida te pega
e arranca a face
e encarna o corpo,
e larga o resto,
nesse pouco
tempo que
te sobra.

Dessa forma,
aproveite a vida,
que te espera
nessas últimas
horas da noite.

Blog Andarilhagens
http://www.nagaiver.blogspot.com/

_______

PESAR
Touché

Compaixão é a arte
de ver o Espírito de Deus brilhar
em todas as faces 

Guarulhos, SP
http://poetasdeguarulhoseoutrosversos.zip.net

VERSOS LIVRES # 19 - PARTE TRÊS

No post de hoje , alguns poemas publicados no fanzine Versos Livres, edição 19 . Aproveito o espaço para postar um poema meu e de Eduardo Nagai, do blog Andarilhagens. Veja ainda um link sobre a Imprensa Alternativa.

Sem título

LEVEZA
Luiz Fernandes da Silva

Não sou apenas
relógio controlado
pelo ritmo
no universo de
minhas mãos
e nem desenhando
as esferas das dimensões.
Sou
horas vazias
caminhando e recolhendo
as âncoras da só(lidão)

Luiz é de João Pessoa , Paraíba. Além de poeta, também edita fanzines.
_

SEM TÍTULO
Glenda Maier

Se eu pudesse encontrar
o momento impossível..
Ficaria serena
e seria o sorriso
da Vida

A carioca Glenda , além de poetisa é uma excelente crônista. Conheça algumas de suas crônicas em  PORTAL EM FOCO

-

SEM TÍTULO
Arthur Filho

Um dia,
fiz o poema certo
na hora errada.
Noutro,
fiz o poema errado
prá pessoa certa.
E, assim,
uns dias não fiz
poemas
só disse coisas

Arthur é de Porto Alegre,RS. Publica há alguns anos, o jornal cultural O Mensageiro. é um editor corajoso, como você pode conferir nesse artigo de Tony Fernandes :

-
pais-e-filhos-quentes-ou-frios
FILIAÇÃO CÓSMICA
Ari Lins Pedrosa

Sou filho d´ milagre d´ século,
...............
Sou filho d´ um gênio
acorrentado por bilhões d´ anos,
mas agora,
poderoso e forte,
perante dos deuses desta
humanidade.
Sou filho d´uma nova combustão,
físico- química.
Sou filho d´rosa carnívora
D´ s jardins d´Hiroshima
e Nagasaki
Sou filho d´egoísmo humano,
pelo poder transcendental.

Tem outros poemas dele em
http://varejosortido.blogspot.com/2008/01/poetas-alagoanos.html

-

SEM TÍTULO
Rose de Arruda

Quando você atravessar
desta dimensão para o além, tente se direcionar
retamente, sem pensar em nenhuma curva
ou esquina...
procure achar o rastro de Jesus e seus discípulos..
passe uma esponja na mente e esqueça o que
aqui deixou...
com certeza, isso só lhe fará bem.

Rose é Cuiabá, MT
http://bugresiaecultura.ning.com/forum/topics/mulheres-rose-de-arruda

-

LÂMINA
mulher espada

 Eduardo Eide Nagai

Da lâmina da vida,
não se escapa
de uma hora
pra outra.

Tampouco,
a vida te pega
e arranca a face
e encarna o corpo,
e larga o resto,
nesse pouco
tempo que
te sobra.

Dessa forma,
aproveite a vida,
que te espera
nessas últimas
horas da noite.

Blog Andarilhagens
http://www.nagaiver.blogspot.com/

-

PESAR
Touché

Compaixão é a arte
de ver o Espírito de Deus brilhar
em todas as faces 

Guarulhos, SP
http://poetasdeguarulhoseoutrosversos.zip.net
_

IMPRENSA ALTERNATIVA

No blog "Poetas de Guarulhos e outros versos " , postei sobre o jornal O Radar, de Apucarana . Confira em http://poetasdeguarulhoseoutrosversos.zip.net/arch2011-04-01_2011-04-30.html#2011_04-08_21_11_01-6846865-0

sábado, 16 de abril de 2011

VERSOS LIVRES # 19 - PARTE DOIS

 

No post de hoje , a segunda parte dos poemas publicados no fanzine Versos Livres, edição 19 , e como bonus e saideira, um poema da Camilinha e informações sobre um concurso literário da Academia Cachoeirense de Letras.  

Sem título

CARTAZ DE ANTIQUÁRIO 
Antonio Cabral Filho

Andarilho sem meta
troca passado atávico
por presente sem raiz
ou futuro sem legado
prá morrer livre
de si mesmo

Cabral é carioca do bairro de Ipanema. É editor da publicação Letras Taquarenses . Saiba mais sobre ele no blog do amigo Selmo Vasconcelos:
http://antologiamomentoliterocultural.blogspot.com/2010/01/antonio-cabral-filho-entrevista.html

-

FUGA
Henny Kropf

Fugir de tudo
que magoa o coração
que afasta o amor
que fere a alma
e que quebra o silêncio.

Fugir de tudo
que interrompe a noite
que esmorece o dia
que abafa o grito
e que entristece a vida.

Fugir de tudo
que sufoca o sonho
que aniquila o perdão
que atordoa a mente
e que emudece a voz.

Fugir, fugir de tudo
que me afasta de você !

A carioca Henny é da cidade de Cantagalo, uma conceituada trovista e editora de Poenísia. Mais informações em
http://blog.clickgratis.com.br/poetas2/159890/Poen%EDsia+HENNY+KROPF.html

-

TROVA
Antonio Fernando de Andrade

Jamais deixe no caminho
a semente de um pecado   
Leve amor e muito carinho
ao menor abandonado.

Antonio é de Engenho do Meio, Recife, PE
menor abandonado345

-

FRAGMENTOS  VADIOS
Miguel Vieira

Solidão meu nome
Agonias de um sentimento
profano que enlouquece
meus versos e minha vida.
Andante cidadão das
imediações filosóficas
Louco promíscuo na
procura do só
Do eu único
O ego
Egoísta no sentido
mais claro da intuição

Poema extraído da publicação " A Plebe Poética", editado por Edu Ribeiro, Miguel Vieira, Antonio  Rodrigues . Mais poemas do Miguel estão no seu blog , em http://poetafunzine.blogspot.com/

-

O INSTANTE
Osael de Carvalho

Mãos com mãos e se extasiar..
Corpo com corpo a se tocar
Luz das estrelas em nosso dia..
quando me encontro em você.. . amor
És o ensolarado raiar do dia meu..
e o instante em que o tempo pára
para nós dois: 
amar ...amar...AMAR...

Osael é editor do alternativo "O Literário". Endereço para correspondência : Caixa Postal 8109 - Ag. Bonsucesso - Rio de Janeiro - RJ -  21032-970

-

SMS
Camilinha

Hoje acordei pensando em você
então sonhei que meus dedos
eram sua língua.

do blog http://camilapequena.blogspot.com

-

III CONCURSO CLAUDIONOR RIBEIRO DE CONTOS
Academia Cachoeirense de Letras,

Nível nacional,

Premiação :         
1º lugar – R$ 800,00 (oitocentos reais);
2º lugar – R$ 600,00 (seiscentos reais);
3º lugar – R$ 400,00 (quatrocentos reais).
Medalhas e certificados.

2 (dois) trabalhos inéditos,

A remessa dos trabalhos, sem qualquer identificação, deverá ser feita para: Academia Cachoeirense de Letras – III CONCURSO CLAUDIONOR RIBEIRO DE CONTOS – Rua Cel. Francisco Braga, 71 – Sala 1101 – Ed. Itapuã – Centro – CEP 29300-220 - Cachoeiro de Itapemirim (ES), valendo o carimbo postal como data de inscrição.

O prazo de entrega terminará no dia 18 de maio próximo,
SOLIMAR SOARES DA SILVA
Presidente da ACL - Academia Cachoeirense de Letras
Reconhecida de Utilidade Pública
Rua Cel. Francisco Braga, 71 - Sala 1101- Ed. Itapuã - Centro - 29300-220 - Cachoeiro
de Itapemirim – ES -
http://www.academiacl.com.br/-http://www.academiagoianadeletras.org/posts/noticias/academia-cachoeirense-de-letras-realiza-concurso

terça-feira, 12 de abril de 2011

LIVROS RECEBIDOS

O post de hoje é sobre um livro de Irineu Volpato, que foi enviado para a redação do Versos Livres.
Digitalizar0002
É um livro de poemas , chamado "Variavereda". Mais precisamente um livro de sonetos, da Editora Renard.
O livro não tem apresentação , nem informações sobre o autor.
Saiba mais sobre ele em  http://recantodasletras.uol.com.br/entrevistas/804767
http://paginadoirineuvolpato.blogspot.com/
A seguir, alguns sonetos constantes no livro :
VI Irineu Volpato
criancas-brincando
Dois olhos infantis mareando céu
em preguiça de tarde sendo roça
brincavam nuvens altas ar-de-troça
por infinito azul a mudaréu

Coração de sigilo e cismas longas
alma voraz de esperas incrustadas
desfiavam-se amarras viajadas
a ecos martelados de arapongas

Amando vento que em seu rosto ria
partia coração de fantasia
por sendas de veredas em clareiras

E só acordando quando mãe ou fome
roubava-lhe dos sonhos de desnomes
repondo-o aos tropeços - vida useira

-
X Irineu Volpato
Assuntou olhos no céu  Sol brunia
Setembro consumia-se e horizonte
abstrato de azul se aborrecia
adeuses enredados pelos montes

Solidão de terra arada empoçava
descosidas esperanças de plantio
Gume de estio chão cicatrizava
morriam de silêncio águas do rio

Setembro barganhou-se  Estorvado
viveu outubro mesmas cicatrizes
de terra ensaiada pra raizes

Navegado rosto triste enevoado
no flanco dos enquantos e esperas
cariciava esconsos de quimera

-
XI Irineu Volpato
E vale estilhaçava escuridão
galopado de nuvens aportadas
Ventania singrava sua canção
com ramagens pulsando gargalhadas

Cosendo alma pequena e solidão
consumida entre árvores copadas
nossa casa tumescida de verão
decorava um novembro chuvarada

E espiava escutar fúria dos ventos
exercícios dos avessos elementos
e chuva a devassar-se atrocidade

Sabia entrementes céu breviaria
e que amanhã outra chuva novaria
diáfora do tempo - eternidade

-
XXVIII Irineu Volpato
Ela fez-se orvalhado algodão
com seu artefato enfunado
coração de piano afogado
particípio de rosto paixão

Trazia arco-íris na mão
e no riso cipós sincopados
Estranjeira de sonhos cepados
navegava-se mel seu desvão

Ia além-meio-dia da vida
esmerando indoerse vencida
nem tapera se encalhar de espera

Delírio de lendas em liras
cavalgou pororocas mentiras
e morreu noitidão suas quimeras

sábado, 9 de abril de 2011

VERSOS LIVRES # 19 - PARTE UM

No post de hoje , alguns poemas publicados no fanzine Versos Livres, edição 19 .

Sem título

ENIGMA
Candida Papini

O pássaro e o fio de aço:
- Equilíbrio.
O fio e o homem:
- Perigo.
O homem e a ave:
- Ameaça.
A vida e o ser:
- Um fio.
O Homem e a Vida:
- Um enigma.

Vida, graça
que passa
e traça
num fio
     o paradigma
        do equilíbrio,
                na ameaça
                 e no perigo,
    sem revelar
       seu   E N I G M A...     

A escritora Candida Papini foi presidente da ASES , Associação dos Escritores de Bragança Paulista.  http://www.asesbp.com.br/livros/autores02.htm

-

POR ONDE ANDAM OS ANDANTES
Manoel Gomes

Os profissionais da estrada
atravessam  de quando em quando
as fronteiras entre o centro-e-oeste
o sol bate no centro da mente
pela estrada de Santiago
de Compostela.

Buscam a infinitesimal
Compreensão de Deus
para curar as suas dores
de agudo consumismo e falência
múltipla de sensatez humana.

E encontram andantes
de todo o mundo
escrevem diários,
sentam a margem de cactos
e choram quando encontram
as três mulheres que têm simpatia
pelo movimento gê-éle-ése.

Por onde andam os andantes
profissionais e pedintes
de perdão pelas falhas eternas,
até quando vão distribuir
auto-ajuda ?

Confeccionada a base
de bens dominantes sem a cura pelas misturas medicamentosas

Mistura de mentiras, que nem
mesmo a metafísica entenderia,
nem encontraria a resposta
para a inocência do cavaleiro
Dom Quixote. 

Manoel é de Brasília. Nos correspondemos durante algum tempo e na época , Manoel criou a Academia Papo e Poesia. Ele tem um blog , que tem algumas crônicas. Confira :  http://gdesgomes.blogspot.com/

-

ASSOVIO
Cecília Meireles

Ninguém abra a sua porta
para ver que aconteceu:
saímos de braço dado,
a noite escura mais eu.

Ela não sabe o meu rumo,
eu não lhe pergunto o seu:
não posso perder mais nada,
se o que houve já se perdeu.

Vou pelo braço da noite,
levando tudo que é meu:
- a dor que os homens me deram,
e a canção que Deus me deu.

fogueira2345

POEMA 
Rini Martin 

ao redor da fogueira
os homens celebram
a vida
rompe a manhã   

Rini Martin é de Guaruhos e esse poema foi extraído de uma coletãnea de um concurso literário promovido pela Prefeitura  .

-

EQUÍVOCO
Linaldo Guedes

um lápis
e um papel em branco
resumem o segredo de minha vida:

uma palmeira imperial
que cresceu
no século errado.

Assim Linaldo disse sobre seu poema : "Equívoco – reflete uma frustração minha. Costumava dizer que queria ter nascido no início do século passado, época em que a literatura era mais valorizada, quando o cinema ainda estava ensaiando seus primeiros passos e a televisão nem se imaginava existir. Época da leitura e não do audiovisual. Aí, um dia, caminhando na Lagoa do Parque Solon de Lucena, em João Pessoa, numa fase difícil da minha vida (logo após a morte de meu pai), olhei para uma palmeira imperial que tem no local e acabei construindo este poema. Gosto muito dele e por isso o escolhi para encerrar o livro “Os zumbis também escutam blues”, resume bem o que sou e o que penso da vida.".Saiba mais sobre esse talentoso poeta  em http://linaldoguedes.blog.uol.com.br

-

E como saideira, um outro poema dele : 

INCÔMODO
Linado Guedes

ser o anjo torto
da família
não tira meu sono

incomoda apenas
não ter asas para voar.

terça-feira, 5 de abril de 2011

VERSOS LIVRES # 20, PARTE TRÊS

No post de hoje, a terceira e última parte dos poemas publicados no Versos Livres, edição nº 20.  Confira os trabalhos de Rozana Cominal, Lau Siqueira ,Claudete de Jesus Assumpção , Paulo César Vicentini .   
VERSOS 20.

SPELL
Rozana Cominal

Meu rosto vivaz, inexpressivo
lágrimas leves, espessas
olhos atentos, cegos
sorriso tímido, atrevido

amor  vulcânico, platônico
espelho invisível, reflexivo
eu louca, atônita

Seus lábios trêmulos, anestesiados
sensação de alívio, de torpor
grito estridente, rouco
olhar  vidrado, ausente
amor prisioneiro, livre

imagem viva, opaca
você vai, vem
Nossas mãos dadas, isoladas
pés descalços, encobertos
pensamento lento, rápido
corpos ardentes, cadavéricos
alma gêmea, ímpar
boca santa, profana

espelho meu, seu

Conheça outros poemas da Rozana no ótimo site "A Garganta da Serpente" http://www.gargantadaserpente.com/toca/poetas/rozana_cominal.php . Aproveitem e dêem um passeio pelo site, porque vale a pena.

-

ACOSSO
Lau Siqueira

mastigo palavras com as cinzas
espalhadas sobre os seus alhos

suas entonações casuais que ao
mesmo tempo são grandes desc
obertas ao som das luzes que se
mov
imentam na incomplet
ude das
coisas

escrevo porque em mim
habitam silêncios ainda não per
corridos
silêncios dormidos no maio
dos anos

sobretudo permuto safras de
olvido em preservações ácidas
como o esterco das manhãs

ando com palavras em busca
da minha própria ilha

começo de rio no riso que
diz sim

http://poesia-sim-poesia.blogspot.com/
-
sol_manha

ROSA DO MEU EU
Claudete de Jesus Assumpção

Manhã radiosa. Um júbilo que enternece
Natureza em calmaria, luz do sol, resplendor !
Mistério é a vida ! Coração se abre em prece.
Flores desvirginadas nas campinas, Sorria ao Criador.

Há lentidão nos passos futuros dos humanos
Cantigas ancestrais, soam dos Senhores dos Ventos
Lágrimas acariciam "gosto de sal" um rosto esculturado
Dignificado no amor, partiu alma em fogo no relento.

De súbito o amor tão forte.
Serpenteou em minhas veias
Deserto das minhas manhãs, que mapeam minha alma
Essência seral, signo das virgens sereienas.

Esta dor profunda, que sangra ! Fere como espinhos !
A rosa do meu Eu nos verdes das alpinas
Dorido canto. Ah, manhã raiada ! Estrela vespertina !!!

Claudete é de Taubaté, SP

-

CARTA A MIM
Paulo César Vicentini

O sofrimento nos é cancerígeno
E a vida nosso único bem de valor
O coração sofre com as desigualdades mil
Há ! Liberte os seus passarinhos !
Dê-lhes uma chance de conhecer a liberdade !
Não brinques de criador cósmico, de doutrinador
De Juiz Supremo
Não bebas a cachaça dos poderosos.
Ela é o seu veneno vital .
E não coma as suas refeições,
pois elas também estão envenenadas...

Passo Fundo - RS