quinta-feira, 26 de maio de 2011

VERSOS LIVRES # 18 - PARTE SEIS

No post de hoje, poemas de Adriana Manarelli, poetisa da cidade de Araçatuba, SP ; de Cecília Fidelli, do blog Reviragita Poesia e poemas que foram publicados originalmente no fanzine Versos Livres, edição 18

VERSOS 18

FRAGMENTO
Vera de Barcellos

"..ensine outros a sorrir
esta é a lição da vida
com alegria sorria
as estrelas sorriem
piscando..piscando.."

Belo Horizonte - MG

-

POÉTICA
Vinícius de Moraes

De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.

Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
– Meu tempo é quando.

-

SENTINDO A VIDA
Manoel Gomes

Um destino
coroado pelo ritual da vida,
Um momento
desencadeado
pela liberdade,
Um amanhã,
rumo ao nascimento
da alma,
Uma luta,
desencarnada, límpida,
Um combate,
sem mudar as causas,
Liberdade,
a conquista das horas,
a realidade estampada,
Um conhecimento,
adornar a sabedoria
como arma

http://gdesgomes.blogspot.com/

amar

POETRIX
Ivone Vebber

Amar
é desarmar
- se

Além de escritora,Ivone  é astrológa e editora do fanzine  "Entre Amigos" , premiado com o Troféu Capital. Saiba mais em http://blog.clickgratis.com.br/bigrendaextra

-

TROVA
Jairo de Mattos

O lápis foi a herança
o exemplo, o pivô,
alegria e esperança,
lembram sempre o avô !..

Jairo é editor do jornal  "O Grilo" , de  Jundiaí - SP

-

CEIA

poetisa 
Adriana Manarelli

Seis concavidades amarelas
No semblante fosco —
E o reflexo velado, salgado e gélido,
Sem cor, transcende
No sétimo circuito, centro
Do círculo embaciado.

Mensagem entrançada nas artérias,
Pétala negra,
Pétala azul,
Minhas entranhas
Se estreitam
Bem fundo:
Um racemo de orvalho.
Essa noite

Em que os astros
Se entrelaçam,
Meus querubins em sangue
Guardam minhas veias
E velam por minha respiração
Quando meus dogmas aurinegros cantam
As espirais que serpentiam
Prata e vermelho.
A cordélia alva dispara
O míssil anil perene.

Confira outros poemas de Adriana, no blog de Everi Carrara : 
http://jornaltelescopio.blogspot.com

-

PENSA RÁPIDO
Cecília Fidelli

Razões.
Quem tiver ouvidos pra ouvir,
que as ouçam.
Sonhos e ilusões.
Quem tiver coração,
que acolha.

http://ceciliafidelli.blogspot.com/

quinta-feira, 19 de maio de 2011

VERSOS LIVRES # 18 - PARTE CINCO

No post de hoje, poemas que foram publicados originalmente no fanzine Versos Livres, edição 18 e alguns que recebi por email. O email do Versos Livres é touche.sp@uol.com.br prá onde podem ser enviados textos, críticas e sugestões.
VERSOS 18

ACASO
Renata Paccola Frischkorn

Não sei se foi o vinho
ou talvez aquela música,
ou,ainda, a luz escura.
Talvez tenha sido a solidão,
ou, quem sabe, o medo dela.
Talvez tenha sido tudo,
ou,quem sabe, não foi nada.
Acho que foi o acaso.
Foi tudo por acaso.
E a lágrima que rola agora
também é por acaso.

Confira a entrevista de Renata no blog do amigo Selmo Vasconcelos ,

-

ESTRELA
Cecília Fidelli

Cada estrela do céu
Me inspira pensar
Que são anjos acordados
Uma lista de sentimentos
Me invade
A noite é minha
Melhor companhia
Enxuga uma lágrima
E me toma de poesia

Extraído do livro  "Coisa Nossa"- Ed. Opção 2 . - http://poesiaeoxigenio.blogspot.com/

-

CIDADE LÍRIO
Adriana Zapparoli

Cidade Lírio
líquida é a língua
duma cidade escorrida
de lágrima ou delírio

http://zeniteblog.zip.net

-

EM RAPSÓDIAS
Touché

Tomo em teus seios
um  fio  de  sonho
ao clarão da língua
        púrpura
nos vieses da poesia

ao  sons  de  flauta
  - em  rapsódias -
quero  inundá-los
      de  canções

Guarulhos/SP.
http://poetasdeguarulhoseoutrosversos.zip.net

- sleep

ADORMECER
Osael de Carvalho

Quero dormir nos sonhos
de minha manhã serena
até que lá no céu
a estrela mais pequena
se despeça da minha noite
para dar lugar ao meu sol

O carioca Osael edita o jornal "O Literário", um dos mais longevos da imprensa alternativa. http://www.revista.agulha.nom.br/1osael.html

-

ARCO-IRIS
Jurema Chaves

Num  pedaço de veludo azul
Vi pintar-se um  Arco-Iris , de repente
Encantadoramente, repintou  magia
E, em uma nuvem fantasia viajei
Bailei ao léu.
Sem mover  meus pés do chão
Alando meu coração
Fui dar um beijo no céu.

Cerrei do olhos a cortina
E  abri na alma o olhar
Galguei meu céu de ilusão
Sem  ruflar  as asas, silênciosamente
Pura e simplesmente
Me deixei levar.

E o Arco-Iris  colorida ponte,
que em meus horizontes
sempre esteve lá.
a açenar-me a luz se refletia
É o sonho poesia
suspensos  no ar
é como se a brisa, com mãos   coloridas
abrise a janela, e soprasse...  BOM-DIA.

enviado por email.  

-

ASSIM
Rumi

      Se alguém lhe perguntar como se desvela
      a mais perfeita sensação do gozo,
      eleve os olhos e diga
      Assim.
      E quando alguém mencionar
      a graça do céu noturno,
      suba no telhado, dance, e diga
      Assim?
      Se alguém quiser saber o que é
      o espírito, ou a essência de Deus,
      incline a fronte em sua direção,
      mantenha o rosto colado
      assim.
      E quando alguém evocar a velha poesia
      das nuvens que, aos poucos, encobrem a lua,
      afrouxe pouco a pouco os nós da tunica.
      Assim?
      Se alguém quiser saber como Jesus
      levantou os mortos das tumbas,
      não tente explicar o milagre.
      Beije seus lábios.
      Assim. Assim.
      E quando alguém perguntar
      o que é morrer por amor,
      faça um sinal
      aqui.
      Se alguém quiser saber quão alto é,
      hesite, e meça com seus dedos
      os espaços entre as rugas da sua testa.
      Deste tamanho.
      A alma às vezes larga o corpo,
      e então retorna. Se alguém não acreditar,
      volte para a minha morada.
      Assim.
      Quando os amantes sussurram,
      estão contando a nossa
      história
      Assim.
      Eu sou um céu onde espíritos vivem.
      Mergulhe neste azul profundo
      onde a brisa espalha segredos
      Assim.
      Quando alguém perguntar
      o que há-de se fazer,
      acenda a vela em suas mãos.
      Assim.
      Como o perfume de José
      chegou a Jacó?
      Shhhhhhh!
      E como retornou
      o suspiro de Jacó?
      Shhhhhhh!
      A brisa suave limpa os olhos.
      Assim.
      Quando Shams retornar de Tabriz,
      seu rosto há-de mostrar-se atrás da porta,
      e nos surpreenderá.
      Assim..

poema enviado por Célia MorgadoConheça a bela história de amor entre o poeta Rumi e Shams, AQUI

segunda-feira, 16 de maio de 2011

VERSOS LIVRES # 18 - PARTE QUATRO

No post de hoje, poemas que foram publicados originalmente no fanzine Versos Livres, edição 18 .  Deixo ainda um link para as correspondências recebidas, mencionadas no meu outro blog, Poetas de Guarulhos e Outros Versos.

VERSOS 18

DEUS TV
Jacy Gê de Almeida

Fica-se ali
horas a fio
em sublime
contemplação.

Somos nós
diante da
Televisão

do jornal Cultural Ação Poesia - http://acaopoesia.vilabol.uol.com.br/

-

MOCIDADE
Gregório de Matos

Goza, goza da flor
da mocidade,
Que o tempo trata a toda a ligeireza,
e imprime em toda a flor sua pisada.
Ó não aguardes,
Que a madura idade,
te converta essa flor,
Essa beleza,
Em terra, em cinza , em pó , em sombra, em nada

-

DO SOL AO SUL
Silvério R. da Costa

Do sol
ao sul
         de mim
         há um abismo
de mar
e    sal
          um mar salgado
          cheio de medo
          Um mar encapelado
onde mora  o meu segredo.

Silvério é de  Chapecó/ SC . Confira essa deliciosa CRÔNICA  de Nelson Hoffman que fala sobre o poeta .. 

ltinta bico de pena 1990

POEMETO I
Almir de Carvalho Filho

Diminuto é o poema, 
onde eu traço o meu destino,
a bico de pena.

O amigo Almir é de Campo Grande/RJ. Saiba mais sobre ele,visitando o seu blog no endereço  http://carpediemvivaavida.blogspot.com

-

QUE AS CRIANÇAS CANTEM LIVRES
Taiguara

O tempo passa e atravessa as avenidas
E o fruto cresce, pesa e enverga o velho pé
E o vento forte quebra as telhas e vidraças
E o livro sábio deixa em branco o que não é

Pode não ser essa mulher o que te falta
Pode não ser esse calor o que faz mal
Pode não ser essa gravata o que sufoca
Ou essa falta de dinheiro que é fatal

Vê como um fogo brando funde um ferro duro
Vê como o asfalto é teu jardim se você crê
Que há sol nascente avermelhando o céu escuro
Chamando os homens pro seu tempo de viver

E que as crianças cantem livres sobre os muros
E ensinem sonho ao que não pode amar sem dor
E que o passado abra os presentes pro futuro
Que não dormiu e preparou o amanhecer...

-

CORRESPONDÊNCIAS RECEBIDAS

As correspondências enviadas para a redação do Versos Livres, podem ser conferidas e comentadas no meu outro blog;, AQUI - 

-

QUE AS CRIANÇAS CANTEM LIVRES  

sábado, 14 de maio de 2011

VERSOS LIVRES # 18 - PARTE SEIS

No post de hoje, poemas de Adriana Manarelli, poetisa da cidade de Araçatuba, SP ; de Cecília Fidelli, do blog Reviragita Poesia e poemas que foram publicados originalmente no fanzine Versos Livres, edição 18

VERSOS 18 


FRAGMENTO


Vera de Barcellos


"..ensine outros a sorrir
esta é a lição da vida
com alegria sorria
as estrelas sorriem
piscando..piscando.."



Belo Horizonte - MG


-

POÉTICA

Vinícius de Moraes


De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.

Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
– Meu tempo é quando.

-

SENTINDO A VIDA

Manoel Gomes

Um destino
coroado pelo ritual da vida,
Um momento
desencadeado
pela liberdade,
Um amanhã,
rumo ao nascimento
da alma,
Uma luta,
desencarnada, límpida,
Um combate,
sem mudar as causas,
Liberdade,
a conquista das horas,
a realidade estampada,
Um conhecimento,
adornar a sabedoria
como arma

http://gdesgomes.blogspot.com/
amar
POETRIX
Ivone Vebber

Amar
é desarmar
- se


Além de escritora,Ivone  é astrológa e editora do fanzine  "Entre Amigos" , premiado com o Troféu Capital. Saiba mais em
http://blog.clickgratis.com.br/bigrendaextra

-
TROVA
Jairo de Mattos

O lápis foi a herança
o exemplo, o pivô,
alegria e esperança,
lembram sempre o avô !..

Jairo é editor do jornal  "O Grilo" , de  Jundiaí - SP
-
CEIA
poetisa 
Adriana Manarelli
Seis concavidades amarelas
No semblante fosco —
E o reflexo velado, salgado e gélido,
Sem cor, transcende
No sétimo circuito, centro
Do círculo embaciado.

Mensagem entrançada nas artérias,
Pétala negra,
Pétala azul,
Minhas entranhas
Se estreitam
Bem fundo:
Um racemo de orvalho.
Essa noite

Em que os astros
Se entrelaçam,
Meus querubins em sangue
Guardam minhas veias
E velam por minha respiração
Quando meus dogmas aurinegros cantam
As espirais que serpentiam
Prata e vermelho.
A cordélia alva dispara
O míssil anil perene.

Confira outros poemas de Adriana, no blog de Everi Carrara :  http://jornaltelescopio.blogspot.com
-
PENSA RÁPIDO Cecília Fidelli
Razões.
Quem tiver ouvidos pra ouvir,
que as ouçam.
Sonhos e ilusões.
Quem tiver coração,
que acolha.

http://ceciliafidelli.blogspot.com/

quinta-feira, 12 de maio de 2011

VERSOS LIVRES # 18 - PARTE TRES

No post de hoje, poemas que foram publicados originalmente no fanzine Versos Livres, edição 18. E, de quebra  , um poema de Eliane Alcantara.  

- VERSOS 18

ENGRENAGEM
Bruno Candéas

Poesia
Não se entorna
se transforma.
Não se copia
cria– se.
Tem dedos nos pés
prá caminhar
na linha
sem desequilibrar.
Poesia é máquina
e pulsação.

Extraído do livro “Férias do Gueto”. Saiba mais em http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=1191
brunocandeas@bol.com.br

-

CÂNTICO II
Laércio Zaramella

O Espírito de Deus
soprou forte sobre a vida.
O estático se mexeu,
a Terra movimentou-se
em função dos feitos Divinos..

E paira sobre ela até hoje
o sopro Divino ;
que é eterno !!

Laércio é de Presidente Prudente, SP. Sempre colaborou com o Versos Livres, com poemas informações culturais e um braço amigo. 

-

SILÊNCIO
Marcela Vieira

o silêncio da noite
me faz chorar
vendi a minha alma
por tão pouco
e agora algo morreu em mim
a solidão invadiu todo o lugar
o que se esconde neste vazio ?

Extraído do fanzine "Lady Of The Flowers" . Endereço para correspondência :  R. Gotaru Suzuki, 131 - 06765.140 - Taboão da Serra - SP

Adiar-sentidos-de-vida-por-conjugar

ILUSÃO
Aila Magalhães

levar a vida
a conjugar o futuro
do pretérito

http://nossaspalavras.blig.ig.com.br
http://tamarindeiros.blig.ig.com.br

-

JARDINEIRO
Marina de Fátima Dias

Quisera eu ter tal poder
de seduzir-te por inteiro..
Ser a flor do teu jardim
Fazer de ti meu jardineiro

(in- memoriam). A saudosa Marina de Fátima Dias, era do Mato Grosso do Sul e uma das mais ativas participantes da imprensa alternativa, tendo colaborado com diversas publicações. Ainda coordenou uma antologia poética e mantinha correspondência com pessoas do Brasil inteiro. Marina ocupa  a Cadeira nº 11, da Academia Momento Litero Cultural, criada pelo jornalista e amigo Selmo Vasconcelos .

-

ÓTICA
Eliane Alcântara.

De tão clara
A luz se fez Poesia
E as trevas
Intervalo dos meus olhos
Desenharam o Poema
Para que a vida
Tivesse filhos
E em mim
Os versos que gritam
Não fossem órfãos.

http://www.eliane_alcantara.blogger.com.br

segunda-feira, 9 de maio de 2011

VERSOS LIVRES # 18 - PARTE DOIS

No post de hoje, poemas que foram publicados originalmente no fanzine Versos Livres, e ainda o auxílio luxuoso de Nilto Maciel e Octavio Paz. 
VERSOS 18

ANGELICAL
Idalina de Carvalho

Angelical
Aquele vôo de
querubim
ameaçava
tridentes
e fogo
no ar

Extraído do jornal  "Correio de Poesia". R. Dr. José Maia, nº 31 - Cidade do Funcionário 1 - 58078-100 - João Pessoa - Paraíba . Saiba mais sobre a mineira Idalina , aqui,no site do RECANTO DAS LETRAS -

-

ELO
Fátima Segatto

Elo
Elos passageiros
elos definitivos.
Conquisto e preservo
todos os elos sólidos
que formam a corrente
da minha vida.

Além de professora e escritora, Fátima organiza o projeto " Conquistando Mais Amizades Do Que Solidão ",com lançamentos de antologias cooperativadas. Mais informações através do endereço  Av. N.S.Medianeira, 2017/04 - Centro - Santa Maria - RS - 97060.001

-

MACEIÓ
Ari Lins Pedrosa

Maceió
É uma aquarela,
onde o verde e o azul
dão o tom.
Tom da beleza natural.
Assim é este paraíso
das águas. 
Onde afogo
minhas mágoas

http://varejosortido.blogspot.com/2008/01/poetas-alagoanos.html

mulher_arco_iris_da_silvia

A VÉSPERA DO SONO
Rossyr Berny

o arco-íris
e seus sete corpos coloridos
são sete vidas tuas
em minhas mãos atônitas
eu
sete mil arco-íris
em tua boca que me beija

Extraído do jornal O Mundo Mágico da Poesia VI - Suplemento 1 - RS Letras - coordenação :  Viviane  Balau - R. Gedeon Leite, 99 -F-Belém Novo - Porto Alegre /RS - 91787-770
jobalau@terra.com.br 

-

PEQUENO SERMÃO DA MONTANHA
Nilto Maciel

Enquanto esfrego um olho,
o diabo se apodera do outro.
No palco, o pastor exige dízimos,
aos berros:
deem-me seus míseros teres,
que Jesus vos dará em troca
o dobro, o triplo, mil vezes mil.
Os cacarecos levados pelas demolições,
pelas enchentes, pelos tsunamis
(“cada tauba que caía doía no coração”),
voltarão luzidios, em forma de mansões.
E todos vós estareis no paraíso.
Esfrego o olho perdido.
“Deus dá o frio conforme o cobertor.”

http://antologiamomentoliterocultural.blogspot.com/

-

NOITE EM CLARO
Octavio Paz

Aos poetas André Breton
e Benjamin Péret

Às dez da noite no Café da Inglaterra
além de nós três
                          não havia mais ninguém
ouvia-se lá fora o passo úmido do outono
passos de gigante cego
passos de bosque chegando à cidade
Com mil braços com mil pés de neblina
cara de névoa homem sem cara
o outono caminhava rumo ao centro de Paris
com seguros passos de cego
As pessoas caminhavam pela grande avenida
algumas com gesto furtivo arrancavam seu rosto
Uma prostituta bela como uma papisa
atravessou a rua e desapareceu em um muro esverdeado
A parede voltou a fechar-se
Tudo é porta
Basta a leve pressão de um pensamento
Algo se prepara
          disse um de nós
Abriu-se o minuto em dois
li signos na testa desse instante
Os vivos estão vivos
andam voam amadurecem explodem
os mortos estão vivos
oh ossos ainda com febre
o vento os agita os dispersa
cachos que caem entre as pernas da noite
A cidade se abre como um coração
como um figo a flor que é fruto
mais desejo que encarnação
encarnação do desejo
Algo se prepara
                        disse o poeta

Extraído do site  Agulha, revista de cultura -
http://www.jornaldepoesia.jor.br/agportal.htm