terça-feira, 2 de abril de 2013

LIVROS RECEBIDOS

No post de hoje, poemas extraídos do livro "Engenho Urbano, Rio 41 Poetas",organizado por Mário Catunda e gentilmente enviado pela amiga Glenda Maier

engenhourbano-m

COPACABANA
Cairo de Assis Trindade

Praia de Copacabana no Rio de Janeiro, Brasil (Copacabana Beach at Rio de Janeiro, Brazil)

Depois que descobri Copacabana,
esqueci a sonhada ida à Grécia,
o por do sol do sul na primavera
e o meu encanto por viver cigano

Depois que conheci Copacabana,
desisti de morar em Bagdah,
em Paris ou qualquer outro lugar
mesmo que mais sagrado ou mais sacana.

Depois que mergulhei nas suas águas
e me afoguei em sua noite insana,
nunca mais eu fui o mesmo Cairo.

Se me perdi nesta babel humana,
quero morrer aqui,na minha praia,
e ir surfar no céu de Copacabana

-

RECORTES
Delayne Brasil

copacabana

Rio,quem te viu primeiro ?
Terra à vista
E o índio em terra

Rio,quem te fez janeiro?
Rei,conquista ?
O ínicio da quimera

Rio,quem te ri por último?
Quem afana sem cessar
e assombra o escrúpulo?
Ou quem ama o mar
e o sabe múltiplo?

-

COPACABANA DE MANHÃ
Elaine Pauvolid

264 - Rio de Janeiro - RJ - Copacabana - 20-11-09

Copacabana de manhã
lugar dos perdidos
cego e suas latas.Chocalhos
de mulheres e homens de olhares
cegos há muito de outros
olhos não risos.
Copacabana de manha,
o lugar dos que não têm paz.

-

IMÓVEL
Flávia Savary

Calçadão-de-Copacabana1

Suspira,Rio,
um último suspiro,
antes que traga a alvorada,
no pontuar do bate-estaca,
dura geometria,
erguida em linha reta,
esquecida da renda
de tuas ondas,
dunas e serras

-

MARGEM
Flávia Savary

praia-de-copacabana

Não recuso
o convite
de te habitar,
- em pensamento.
Sereia sem silvo,
cuido de não deixar
tuas águas avançarem,
além dos calcanhares

-

Sobre o livro,diz Diego de Souza,na revista eletrônica "Pro Parnaíba" (http://www.proparnaiba.com):

"Os grandes poetas Astrid Cabral e Afonso Félix de Sousa (1925-2002) apresentam a antologia Engenho Urbano preparada pelo poeta e diplomata de carreira Márcio Catunda.

Engenho Urbano (2012) é uma coleção de poesia com 41 poetas que escrevem sobre o Rio de Janeiro, em suas imagens de vida.

O importante do livro Engenho Urbano é que edifica e demonstra a poesia de medalhões como Astrid Cabral, Gilberto Mendonça Teles, Marco Lucchesi, Olga Savary e Reynaldo Valinho Alvarez, assim como identifica a inteligência de Igor Fagundes, Cairo Trindade, Carmem Moreno, Tanussi Cardoso, Jorge Ventura e Marcus Vinicius Quiroga.

Márcio Catunda também prestigiou nomes da União Brasileira de Escritores do Rio de Janeiro como Edir Meirelles, Juju Campbell, Elisa Flores, Messody Benoliel, Marcia Agrau, Mozart Carvalho e Suzana Vargas e do grupo carioca Poesia Simplesmente: Laura Esteves, Silvio Ribeiro de Castro, Delayne Brasil e Telma da Costa.

Adriano Espínola, Augusto Sérgio Bastos, Flávia Savary, Sérgio Gerônimo e Thereza Christina Rocque da Motta completam a riqueza de Engenho Urbano, pois são escritores comprometidos com a literatura e a essência do poético.

Outros poetas, ainda pouco divulgados fora do Rio, fecham a seleta de Márcio Catunda: Beatriz Chacon, Elaine Pauvolid, Érico Braga, Flávio Dórea, Glenda Maier, Ivan Wrigg, Luiz Fernando Prôa, Márcia Leite, Paula Wenke, Renato Resende, Ricardo Alfaya, Rosa Born e Rosane Carneiro.

Engenho Urbano (Oficina, 2012) é um distinto livro, com boa temática e bons poetas. A noite de lançamento ocorreu no fim de fevereiro do presente ano, na sede do PEN Clube do Brasil (RJ), contando com prefácio do intelectual Cláudio Aguiar, presidente da casa.

Para o deleite dos leitores, um poema de Carmem Moreno, que é a síntese de tudo o que embasa Engenho Urbano no pensamento de Márcio Catunda:

"Rio, que Cristo alarga teus braços em turismo sem pão?
Tour por teus atalhos, asfaltos, políticos – mãos ao alto, ladrão.
Que Cristo colore teus traços, benze teus dias, cruza teus dedos em oração?
Rio, que Cristo sobe teus morros, colhe teu lixo,
samba teus pés de barracos, ampara teus barrancos,
sutura teus abismos...
que Cristo fotografado afaga teu sorriso fraturado?
Rio, que Cristo afamado te estende a mão - do cartão postal dourado?"

Comentário de Diego Mendes Sousa
http://www.proparnaiba.com/artes/2012/03/21/engenho-urbano-do-poeta-e-diplomata-m-rcio-catunda.html

Saiba mais em http://www.flaviasavary.com/antologias-engenhourbano.php

http://carmenmorenoemprosaeverso.blogspot.com.br/2012/03/carmen-moreno-integra-antologia-engenho.html

http://www.oficinaeditores.com.br/servico_engenho_urbano.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário