quinta-feira, 28 de novembro de 2013

IMPRENSA ALTERNATIVA – BINÓCULO

Os textos constantes no post de hoje foram extraídos da publicação
" Binóculo", da cidade de Fortaleza, Ceará.

BINOCULO34_thumb[4]

CORREDORES NOTURNOS
Francisco Carvalho

Corredores noturnos
portas e silêncios laterais
onde fantasmas vagueiam em noites
de chuva e ondas que desenham
bordados de espuma no crepe da areia.
Corredores longos que não acabam nunca.
Sombras semeiam passos que ressoam.
Passos de regresso ao tempo
Esculpidos no vento ou no mármore.

In Memoriam.

-

AS DROGAS
Edésio Batista

Prá família é um tormento
ter um filho viciado
Que se deprime nas drogas
no submundo lançado
Perde a mãe noites de sono
vive o pai desesperado.

As repressões contra o tráfico
criadas por governantes
com detenção e cadeia
se mostraram inoperantes:
estão presos usuários
mas soltos os traficantes.

(trecho)

Edésio pertence a Academia dos Cordelistas do Crato,
cadeira nº 05

the-reading-girl

Binóculo é um caderno de leitura fundado em janeiro de 1999.
-
Editoria e correspondência :
Dias da Silva - Rua Carlos Vasconcelos,3100/602- Cep 60115.044- Joaquim Távora- Fortaleza- Ceará - email : ivonildodias@secrel.com.br - fone:(85)3257.5947
-
Batista de Lima - Rua José Alves Cavalcante, 1163 - Cep 60822.570 - Cidade dos Funcionários- Fortaleza- Ceará- email: jbatista@unifor.br - fone: (85) 3279.1752
-
Trata-se de uma publicação de resenhas de livros ,jornais e outros impressos, críticas literárias,crônicas,ensaios e poemas de diversos estilos.

Marie-louise-catherine-breslau-alemanha-meninas-lendo-1897

TROVA
Dias da Silva

É isto verdade sim
pelo mundo afora ecoa
"Gente é bicho ruím
e Bicho é que é gente boa"

-

TROVA
Zito Lobo

Não há nada mais profundo
mais belo e comovedor
nem maior poder no mundo
que um simples gesto de amor

-

TROVA
Waldir Rodrigues

Ao contemplar o universo
que me envolve e me extasia
só posso dizer em verso
que tudo é poesia

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

VERSOS LIVRES # 34

ManReading No post de hoje, poemas publicados na edição nº 34, do fanzine Versos Livres, editado em Guarulhos/SP. Textos, críticas e sugestões, podem ser enviados para o email touche.sp@uol.com.br .

-

RETROLHOVISOR
Raimundo D'Magalhães

Quando fores abrir a porta
Repara se no ranger dela
há o agrado de quem bateu...
Se não houver,olha pela fresta
Observa !...Prima pela visão
A que teus olhos,não enganem a ação !

Ananindeua , BE/PA

-

SÍTIO
Aline Leal

A saudade risonha
Beija a noite
Plagia o eterno
Copia pontos de luz
e acende o amor
desacordado

in: "Falando a Sós!"
A/C Mauro Sousa
Caixa Postal 2030 - Santos
SP - 1060.970

TARDE_LINDA

SEM TÍTULO
Eugênio de Andrade

Essa mulher, a doce melancolia
dos seus ombros,canta.
O rumor
da sua voz entra-me pelo sono,
é muito antigo.
Traz o cheiro acidulado
da minha infância chapinhada ao sol

O corpo leve quase de vidro

in: jornal Vaia
jornal-vaia.blogspot.com.br

sábado, 9 de novembro de 2013

Matéria (s).

art4

A geometria de suas curvas
É silêncio quebrado
Na geografia paralela
De minha boca aberta
A permitir a história
De nossos cálculos
_ Língua aplicada _
Nas leituras sensuais
De quem somos
_ Invenções&Taras.

Eliane Alcântara.
https://www.facebook.com/elianealcntara?fref=ts

Ilustração : JKB Fletcher 
art1

O artista JKB Fletcher é do Reino Unido, mas vive em Melbourne, Austrália, e tem feito um trabalho incrível não apenas com pintura corporal sexy, mas também com fotografia e pintura em tela, misturando tudo isso e girando em torno da temática dos nossos heróis preferidos!

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

LIVROS RECEBIDOS - CECÍLIA FIDELLI - PARTE DOIS

No post de hoje, mais alguns poemas extraídos do livro "Ponto de Vista", de Cecília Fidelli .

-

O AMOR
Cecília Fidelli

iAMORmages

O amor é o tentador,
A paixão é a tentação.
O amor  é a forma
O desejo é o sentido.
Amor.
Eu planto. Você rega

-

SOBREVIVENTE
Cecília Fidelli

saudade

Saudade, ao longo do trajeto
amoroso, é acumular pontas de
mil tragos, num cinzeiro indiferente.

-

SEM TÍTULO
Cecília Fidelli

p o fazedor de sonhos 09

Todos os tons de cores dos
meus sonhos,no horizonte
de minh'alma, têm a mesma
variedade. Prá mim, as coisas
só dão certo assim. Em sonhos

-

Saiba mais sobre a saudosa amiga Cecília na entrevista concedida a Selmo Vasconcelos em http://antologiamomentoliterocultural.blogspot.com.br/2009/12/cecilia-fidelli-entrevista.html

-

PAUSA
Cecília Fidelli

Quem era amável, ficou áspero.
Nesse meio tempo, tem prioridade
a morte.
Sentimos o fúnebre silêncio.
Cresce o número de eliminados ao
acaso.
Tem prioridade a morte.
O golpe final de violência..
é apenas uma pausa.

LIVROS RECEBIDOS - CECÍLIA FIDELLI

OAAAAIbuyq7Wy5Dh2MUOVwqgWRdBkxdEWRkwrzPrFndmqwYx1XE0qEwLrhA9wbr1i5_W2X96G9-HG_zVygVtzez2wF8Am1T1ULd0uY0rTadrZVvBxeekz3EK5pZ9

No post de hoje, poemas extraídos do livro "Ponto de Vista", da escritora Cecília Fidelli, falecida em outubro desse ano. Cecília esteve presente em várias edições do Versos Livres e é referência na cena alternativa.

Confira as mensagens dos seus inúmeros amigos e admiradores em
https://www.facebook.com/ceciliafidelli.reviragitapoesia?fref=ts .
-
O livro artesanal "Ponto de Vista", foi publicado em fevereiro de 2000, editado e produzido pela própria Cecília, em Taboão da Serra/SP
-
Atualmente Cecília estava morando em Itanhaem/ SP
-

reviragita

À FLOR DA PELE
Cecília Fidelli

Às vezes, não há tempo de pensar nas consequências.
Não sou uma mulher sem emoções. Quando desejo você,
com intensidade, beijo com carinho, sufoco, com jeitinho...
Não dá nem prá sussurrar. E quando você me endereça aquele olhar apaixonado, é respirar fundo... e deixar rolar !

-
DEVAGAR E SEMPRE
Cecília Fidelli

Esfria a cabeça, aquece a alma. No cotidiano vicioso, entre o stress e a vitalidade, poucas pessoas vêm com claridade, as várias tonalidades de suas próprias imperfeições.

-
PROIBIDO
Cecília Fidelli

A boca diz que não...
A alma diz que sim...
Ainda te procuro em mim !
A boca cala..
A alma vaga
Entre o sim e o não

-
RECAPITULANDO
Cecília Fidelli

Parecias tão infeliz
E me falavas palavras de tédio
Me dispensavas carinhos indivizíveis,
acrescidos de palavras tão doces...
Mas o pouco que acredito será restrito
ao meu próprio esforço de compreensão.
Nossa arte, somada às nossas ilusões,
nossos sonhos de amor.

Digitalizar0053

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

AS PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES DO AMOR NA LITERATURA BRASILEIRA

mulher lendo

Joel Pontes

O assunto amoroso aparece na literatura brasileira desde os tempos mais remotos. Sem se falar no amor divino da arte jesuística, encontramos o amor humano e até erótico nas primeiras produções, mais históricas que literárias, e nas malhas do barroquismo, de Gregório de Matos, cuja obra mescla poemas à beleza de algumas damas de boa posição social (cujos nomes a História não pode revelar) a  poemas nascidos nos bordéis .

O amor europeizado de Manoel Botelho de Oliveira, cria o primeiro nome de musa - Anarda e dá ao poeta um lugar especial na lírica amorosa, pouco brasileiro,porque não diz respeito à miscigenação de raças.

No século XVIII, os agrupamentos acadêmicos e a própria vida social obrigam os poetas a um decoro,no trato do assunto amoroso,que elide por completo o sexo. É exceção um Domingos Caldas Barbosa, soldado nas lutas na Colônia do Sacramento, nascido no Rio de Janeiro, mulato e músico. Pôs na poesia o dengo das mulatas , mesclando os processos estilísticos dos árcades ao sensualismo dos lundus. Foi o introdutor da modinha brasileira nos salões de Lisboa. ( fonte : Joel Pontes, in : Dicionário de Literatura, 3ª edição, Volume I, direção de Jacinto do Prado Coelho )

-

Doçura de Amor
Domingos Caldas Barbosa

1271269235_87895345_13-obra-de-arte-em-salvador-quadros-artes-plasticas-em-salvador-aulas-pintura-em-salvador-Brasil-1271269235

Cuidei que o gosto de Amor
Sempre o mesmo gosto fosse,
Mas um Amor Brasileiro
Eu não sei por que é mais doce.

Gentes, como isto
Cá é temperado,
Que sempre o favor
Me sabe a salgado:
Nós lá no Brasil
A nossa ternura
A açúcar nos sabe,
Tem muita doçura,

Oh! se tem! tem.
Tem um mel mui saboroso,
É bem bom, é bem gostoso.

As ternuras desta terra
Sabem sempre a pão e queijo
Não são como no Brasil
Que até é doce o desejo.