quarta-feira, 28 de maio de 2014

INTERCÂMBIO - EMAILS

No post de hoje, poemas extraídos de emails enviados para o fanzine Versos Livres, editado em Guarulhos. Textos, críticas e sugestões, serão benvindos em touche.sp@uol.com.br 

digitando2

ERA CARNAVAL
Adélia Einsfeldt

No carnaval de outras eras
quem eras, como eras?
eras Palhaço ou Arlequim?
quem sabe eras o anjo Querubim!
nem sei na verdade quem eras.
Tua máscara escondia
teu rosto eu não via
já era quase dia
eu ainda não te conhecia...
Muitos anos passaram
quando numa tarde
plantando flores no meu jardim,
ouvi uma música de carnaval
lembrei do carnaval de outras eras,
a emoção tomou conta de mim
Chorei!

adeliaeinsfeldt@yahoo.com.br
-

NOITE FEBRIL
Welington de Sousa

Por hora
teu gosto amargo me basta
e todo silêncio é bem vindo
cerveja bem gelada carne mal passada
um canto qualquer ...um cão vira lata
e se puder um blues vagabundo
de alma penada...

sem dó nem pena
em qualquer encruzilhada
pra que eu me sinta um pouco melhor
esculpindo as palavras que tua boca deixou
no canto vazio daquela noite febril.

São Gonçalo - RJ -

-

VIVER É UMA AVENTURA
Cecília Fidelli

Viver é uma aventura,
é sempre mais um passo,
mesmo que seja rastejante.
Constantes alturas, muitos tombos.
As noites...
foram feitas pra mim.
Na verdade, fomos feitas uma pra outra.
Durmo insônias em versos sem fim.,
acreditando que estou fazendo a coisa certa.
A vida é um paraíso de embates constantes.
Nos jardins dos meus caminhos,
toda hora é hora de partir.
As noites seguem.
A vida segue,
por isso é que a gente tropeça
e quase sempre... enlouquece.
Se fôsse tudo direitinho,
sem momentos de gritos,
não haveriam chôros
que nos trouxessem sorrisos.

in memoriam

-

REINVENTEI SILÊNCIOS
Harley Meireles

reinventei silêncios
desespero tempo
na calada da sua boca
gritos de carbono

acordes de giz - 2010

-

Recebemos ainda os links das entrevistas do escritor e dramaturgo
Paulo Mohylovski - mohylovski@bol.com.br; :

entrevistas com Marcilio Moraes e Joeli Pimentel
http://www.germinaliteratura.com.br/2010/pcruzadas_marciliomoraes_dez10.htm
http://www.germinaliteratura.com.br/2010/pcruzadas_joelipimentel_dez10.htm

segunda-feira, 19 de maio de 2014

INTERCÂMBIO - CORRESPONDÊNCIA

No post de hoje, poemas extraídos da correspondência postal enviada para o fanzine Versos Livres, editado em Guarulhos, SP. Textos, críticas e sugestões podem ser enviados para touche.sp@uol.com.br

Norman-Rockwell-Little-boy-writing-a-letter

ALMA DO VINHO
Francisco Carvalho

O amor é alma do vinho
que passeia nas adegas.
O cristal de que ele é feito
não se parte nem se quebra.

É uma taça de chamas
com que o céu nos golpeia.
Um cálice de veneno
entre as orquídeas da ceia

O amor nos presenteia
com o seu diadema.
A fagulha que incendeia
o esqueleto do poema

( Em: "Esquinas do Tempo")

Francisco Carvalho é poeta e crítico literário. Membro da Academia Cearense de Letras.

Poema publicado na edição nº 126, do caderno literário "Binóculo", enviado por seus editores Dias da Silva e Batista de Lima, Jbatista@unifor.br , fone: (85) 3279.1752

-

PRIMAVERA
Ademir Antonio Bacca

os vôos
de todos os pássaros
parecem partir
de dentro de mim

quantos chegaram
ao seu ninho ?

Em: Cotiporã Cultural, nº 43, gentilmente enviado pelo seu editor, o nosso amigo Adão Wons. Saiba mais em www.adaowons.blogspot.com

-

RECUSO-ME
Viviane Schiller Balau

Recuso a acreditar
Que você partiu e o que
restou foram apenas lembranças
De nossas carícias de amor

E recuso a apagar os momentos
De felicidade que vivemos juntos

Também me recuso a dizer
Um basta para essas loucuras que cometi

jobalau@uol.com.br

Publicado na folha cultural "Farroupilha", editado por Leonel Dutra V. Lopes, Viviane M. Lopes Viana, contatos : Caixa Postal 123, Taquari, RS, 95860.000, insanityrock@taquari.com.  Enviado por Adão Wons.

-

REMINISCÊNCIAS
Larí Franceschetto

O último apito
do último trem
na última curva
ainda ecoa no menino de ontem.
No menino de hoje
a retina cansada
destila saudade.
O primeiro trem
que viu passar
ainda passa;
o último também.

Dói, também
igual aquele retrato na parede
Drummond....

in memoriam. O amigo Larí nasceu em Veranopólis/RS, onde também faleceu. Tinha na literatura uma de suas grandes paixões, desde a adolescência. Participou de mais de 100 coletâneas em prosa e verso Brasil afora. Também foi muito premiado no Brasil e no exterior. Estreou em livro solo com a obra " Espelho das Águas".
Esse poema ele me enviou em uma carta de junho de 2012,  informando que o mesmo integrava a coletânea "Arabescos", Santa Maria, RS, 2012.  O grande poeta viria a falecer em 2013.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Babilônia

GIANCARLONERY

O ventre estrebucha
Sob esse maior ponto de luz —
Clandestino, a revelia —
Conjunção de aflição e refúgio,
A 360 graus,
Agora intangível
Mas, por estranho que pareça:
Meu corpo,
Guinchando
O mimetismo dos líquens.

Língua rasteira
Pelo trajeto, ofegante
Invólucro
Teia efervescente
Pelas estufas íngremes
Nana a pele pálida
Quem disse
Que coração tem escrúpulo?

Almíscar
Gritando no centro,
Síntese faiscante,
Esporo de fascínio —
Pulsação rubra
Prestando reverência aos séculos.

Adriana Manarelli

Ilustração: fotos da instalação de Gustavo Nery

Outros poemas de Adriana Manarelli podem ser encontrados no blog do meu amigo Everi Carrara , escritor e advogado de Araçatuba/SP - http://jornaltelescopio.blogspot.com/

quarta-feira, 14 de maio de 2014

COTOVIA

CENA V. Jardim de Capuleto
Entram Romeu e Julieta, em cima, na janela.

JULIETA- Queres ir embora ?... O dia ainda não está próximo...Era do rouxinol e não da cotovia a voz que feriu o fundo receoso de teu ouvido...Todas as noites canta naquela romãzeira. Acredita, meu amor, era o rouxinol.

ROMEU - Era a cotovia, mensageira da aurora,e não o rouxinol !.. Olha, meu amor, que raias invejosas de luz separam as nuvens no Oriente longínquo...Os círios da noite já se queimaram e o jucundo dia está, de pontas de pés, no brumoso cimo das montanhas...Preciso partir e viver, ou ficar e morrer.

JULIETA- Aquela claridade longínqua não é a luz do dia, eu sei...É algum meteoro que o sol exala para que seja o portador da tocha nesta noite e te ilumine no teu caminho para Mântua.Fica, portanto!... Não tens necessidade de partir.

ROMEU- Que importa que me prendam, que me matem? Serei feliz, assim, se assim o quiseres. Direi que aquele ponto acinzentado não é o olho do dia, mas o pálido reflexo do diadema da alta Cíntia, e também que não foi a cotovia, cujas notas a abóbada celeste tão longe ferem sobre nossas frontes. Ficar é para mim grande ventura; partir é dor. Vem logo, morte dura! Julieta quer assim. Não, não é dia.

     JULIETA — É dia; foge! A noite se abrevia. Depressa! É a cotovia, sim, que canta desafinada e rouca, discordantes modulações forçando e insuportáveis. Dizem que ela é só fonte de harmonia; não é assim, pois ora nos divide. Há quem diga que o sapo e a cotovia mudam os olhos. Oh! quisera agora que ambos a voz também trocado houvessem, pois ela nos separa e, assim tão cedo, como grito de caça mete medo. Oh vai! A luz aumenta a cada instante.

     ROMEU — A luz? A escuridão apavorante.

     (Entra a ama.)
     AMA — Senhora!

     JULIETA — Ama?

     AMA — Vossa mãe se dirige para cá. Sede prudente; já raiou o dia, como podereis ver. (Sai.)

     JULIETA — Então, janela, que o dia entre no quarto e a vida fuja.

     ROMEU — Adeus, adeus! Um beijo, e desço logo.
     (Desce.)

William Shakespeare
”Romeu e Julieta”

romeoandJulietgde

sexta-feira, 9 de maio de 2014

"..o pássaro possível..."

ZZ002E27AE

o pássaro possível
em minha mão
é mudo

feito de silêncio e asas
sobrevoa tudo
como se tudo fosse sua casa

e nada

depois se recolhe e
se guarda
na fôrma da minha mão
vazia;
pousada

Eunice Mendes

Eunice Mendes é natural de Santos/SP. Formada em Jornalismo. Edita com Walmor Colmenero, a revista literária artesanal POETIZANDO, a folha poética A POETISA e o zine ÁRVORE AZUL, pelo selo ARTESANIA. Possui vários livros de poemas organizados e registrados na Biblioteca Nacional. Tem poemas publicados em vários jornais, revistas, zines e sites.
contato: walmordario@ig.com.br ou revistapoetizando@yahoo.com.br

Confira uma entrevista da poetisa concedida ao site Alegria de Ler, em http://alegriadeler.blogspot.com.br/2006/06/entrevista-com-eunice-mendes.html

Ilustração : Maurizio Bongiovanni
http://obviousmag.org/archives/2010/07/passaros_surrealistas_de_maurizio_bongiovanni.html

segunda-feira, 5 de maio de 2014

"... SÓ SE DAVA BEM COM ANIMAIS..."

Camponês com cavalo, 1948 – José Marques Campão (Brasil, 1892-1949). Óleo sobre tela, 54 x 65 cm. Colecção Particular

Vivia longe dos homens, só se dava bem com animais.Os seus pés duros quebravam espinhos e não sentiam a quentura da terra. Montado,confundia-se com o cavalo, guardava-se a ele. E falava uma linguagem cantada,monossilábica e gutural,que o companheiro entendia. A pé, não se aguentava bem. Pendia para um lado,para o outro lado, cambaio,torto e feio. Às vezes utilizava nas relações com as pessoas a mesma língua com que se dirigia aos brutos - exclamações,onomatopéias. Na verdade, falava pouco. Admirava as palavras compridas e difíceis da gente da cidade, tentava reproduzir algumas, em vão, mas sabia que elas eram inúteis e talvez perigosas.

Graciliano Ramos
"Vidas Secas"

Ilustração: José Marques Campão