quarta-feira, 8 de abril de 2015

Macacos e Monstros



Cantos de cigarras cortam a tarde
Cortam lenha porque o gás acabou
Cortam o céu danças de andorinhas
Contam anedotas amamentando a vida

Mulheres com bindis nas esquinas
De Arroio do Sul e de Santa Maria
Corto as unhas do pé esquerdo
E conto-me histórias de marinheiro
Que o mar sepultou

Pinto poemas na areia, que o tempo
não devora. A noite na janta tem
Lulas, arroz e luas

Corta-me o coração o cãozinho branco
De um branco de alma, abandonado
e chorando, num canto de pátio vazio

Quantos macacos estão, carinhosamente,
Agora, cuidando de seus filhos,
E quantos homens, há tempos,
Matando seus próprios  irmãos

Larí Franchescetto

In: Jornal O Capital, ano XXI, nº 207, setembro, 2011





Nenhum comentário:

Postar um comentário