terça-feira, 25 de julho de 2017

ENTRE ASPAS

Glenda Meyer
- 
SE PUDESSEMOS CLASSIFICAR

” Vocês já ouviram falar de Cesare Lombroso ? Vamos lá : psiquiatra, cirurgião, higienista, criminologista, antropólogo e cientista italiano. Claro que a pesquisa realizada por ele mereceria várias páginas deste jornal, mas para o que nos interessa aqui basta dizer o seguinte:

"Lombroso no anseio de buscar as motivações das práticas criminosas, concentrou-se no estudo da essência do criminoso, desenvolvendo uma extensa pesquisa empírica de traços físicos e mentais com indivíduos encarcerados, doentes mentais e soldados, denominada Antropologia Criminal. Considerado tais elementos, a pesquisa de Lombroso estabeleceu esses traços em "estigmas" passíveis de determinação de um potencial delitivo" (Wikipédia)


O motivo deste comentário ? Simples: assisti a uma série de candidatos a vereador e, ao ver aqueles estranhos rostos falando comigo pelo televisor,eu me perguntei se não teria sido útil se Lombroso, ao invés de se concentrar na essência do "criminoso e seus traços físicos", tivesse dedicado algum esforço a determinar outras características, como falsidade, burrice, baixeza e total falta de autencidade : os falsos sabem que estão mentindo e tentam mentir bem. Os não autênticos não têm idéia do que estão fazendo ali. Claramente são candidatos de composição - alguém que não se interessa por política, mas que interessam aos partidos - seja pela razão que for.

Este artigo foi inspirado pela vontade de rir e de chorar ao ver a apresentação de vários candidatos a vereador. Posso ter escrito em tom de brincadeira, mas o assunto é sério ( trecho da crônica " Se Pudessemos Classificar", jornal  Jacarepaguá em Destaque, setembro 2016)

-

TUDO O QUE MERECE SER FEITO

" Talvez não tenham reparado, mas frases, ditados, histórias que fomos ouvindo ou lendo ao longo da vida marcaram nossas existências mais do que percebemos. Foi assim comigo.

Quando meu pai faleceu, minha mãe passou quinze dias verificando e eliminando a papelada que papai havia deixado - minha tendência a 'acumular papéis' é certamente herança genética. Como não podia deixar de ser, mamãe jogava no lixo e eu tirava do lixo buscando momentos importantes da vida do meu velho.

Foi assim que me deparei com a frase que marcou de vez, a minha vida : ' tudo o que merece ser feito, merece ser bem feito'. Quanto mais eu penso nessa frase, mais me convenço de que o mundo seria melhor se todos levassem esta pérola de sabedoria mais a sério. [..]

 Penso em nosso país e na difícil situação em que todos nos encontramos. Como seria o Brasil se todos, governantes e governados, decidissem o que merece ser feito e o fizessem bem feito ? Quantas obras inacabadas seriam terminadas com boa vontade e eficiência ?

Quantos médicos, apesar das insatisfatórias condições dos hospitais públicos, atenderiam seus pacientes com um sorriso e um olhar atento para melhor ajudar àquele que está sofrendo ? Professores que se levantam para trabalhar como se estivessem indo para o matadouro, se olhassem com um pouco de carinho para os jovens e crianças ao seu redor encontrariam um motivo valioso para fazer bem feito aquilo que merece ser bem feito.


Nem sempre é fácil, mas aprendi que existe uma diferença grande entre 'fazer porque sou obrigada a fazer' e a 'fazer bem feito porque aquilo ,quer eu goste ou não, merece ser bem feito' ( trecho da crônica "Tudo o que merece ser feito...", jornal Jacarepaguá em  Destaque , outubro 2016 )

Nenhum comentário:

Postar um comentário