quinta-feira, 26 de julho de 2018

DUETOS


NILZA MENEZES, CINEAS SANTOS

No post de hoje, trago mais dois poemas do projeto "Duetos",extraídos da oitava edição do fanzine Versos Livres.O Versos Livres, 08, foi publicado nos anos  2000 .Foi o ano em que,entre outras coisas,Charles Schulz publicou a última tira inédita de Snoopy e foi quando foi lançado o quarto livro da série Harry Potter. Harry Potter e o cálice de fogo.  “Corações em Silêncio”,de Nicholas Sparks, foi um dos livros mais vendidos nesse ano.

-                                                                                 

ANGÚSTIA


para poeta
angústia não é
aquele lugar
onde se põe um poema triste
angústia de poeta
é quando no vazio
não cabe um poema

Nilza Menezes.
(do livro ‘duas palavras’)
in Versos Livres,edição 08

-

Desobediência civil


 Meu pai me queria lavrador
Semente no adubo de seu chão
Minha mãe me queria doutor
De pincenê e anelão .
E eu crescendo desatento
                           aceso
                           solto
Eu queria era  ser o vento
Pra bolinar o teu corpo

Cineas Santos
in: Versos Livres,08










quarta-feira, 25 de julho de 2018

DUETOS - FILOMENA NOVI e TOM



Continuando com o projeto "Duetos",no post de hoje,trago dois poemas extraídos do fanzine Versos Livres.,com ilustração de Vincenzo Irolli .Espero que gostem.

-
ATRÁS DA PORTA


Atrás da porta
Encontras outra porta
Que é o avesso da porta

Atrás da porta              
Tem prego, tem calendário,
Tem réstia de cebola e alho,
Tem até a folha da fortuna,
Já seca e inoportuna.

Atrás da porta do quarto,
Tem sapato, tem bengala,
Tem um monte de tralha.

Atrás da porta do banheiro,
Tem balança de ver peso, tem roupão
Tem revista de sexo, tem gaveteiro,

Atrás da porta da frente
Tem mandinga contra mau  - olhado
Tem copo d’água com sal grosso,
Para afastar os azarados,
Tem reza contra roubos.

Mas é pela porta aberta
Que entra e sai para a festa,
E não vê que é atrás da porta
Que fica e mora a promessa.

Filomena Novi
in :Versos Livres 07

-

CARPENTERS


Transamos ao som dos Carpenters
Mas você não conhece os Carpenters:
você é um garoto de rodeio

Tom
in:Tomzine e Versos Livres,07

terça-feira, 24 de julho de 2018

DUETOS


CLAUDETTE ASSUMPÇÃO E CIDA MARCONCINE

No post de hoje,a continuação do projeto ‘Duetos”,com poemas extraídos do fanzine Versos Livres. Ilustração: Vladimir Volegov

-

SÚBITO


De súbito
a tarde  colheu meus sonhos
E na brandura
dos pingos da chuva
que caíam no chão
vi escorrer entre os dedos
o sabor das palavras
 abandonadas
                                que encharcavam o papel                                                                  de um jeito tão doce
que adormeci nos sonhos !
E quando acordei
a noite debruçava sobre mim toda a sua majestade
límpida, dourada plenitude
vestindo-me com toda
sua Paz ! 

                                                Claudete  Assumpção.
In: Versos Livres 07

-


VENDADOS


Escuridão . Tato . Boca
Não é preciso ver.
Sabemos com certeza onde colocar
a mão, o dedo, a língua .

Cida Marconcine
In: Versos Livres, 07



segunda-feira, 23 de julho de 2018

DUETOS - QUINTANA E RAIMUNDO DE MAGALHAES


No post de hoje e nos posteriores, teremos dois poemas, de autores diferentes, que fazem parte do projeto ‘duetos’ . São poemas extraídos,preferencialmente, do fanzine Versos Livres,editado em Guarulhos,SP.  Iniciamos com Mário Quintana  e Raimundo D’ Magalhães. Ilustrações: Alexander Roche e Iman Maleki.
-
DE GRAMÁTICA E DE LINGUAGEM 



Eu sonho com um poema       
Cujas palavras sumarentas
Escorram  como a polpa  de
um fruto maduro em tua boca.
Um poema que te mate de amor      
Antes mesmo que tu saibas
O misterioso sentido :
Basta provares o seu gosto....

MÁRIO QUINTANA
Extraido do fanzine versos livres, nº 05

-
SE ME PERGUNTAS



Se me perguntas se te amo                  
E o que digo, não mostra,
O quão do amor te flamo
O quão do querer me invisto
No olhar do sorrir que dispo,
 Cada vez que te amo....
Pois se demonstrar fosse previsto  
O quão do amor te flamo
Meu Deus !.... O mais ínfimo dum cisco
( como medida )
Pesaria a imensidão d'oceano !

RAIMUNDO DE MAGALHÃES.-
Extraido do fanzine versos livres, nº 05




terça-feira, 19 de junho de 2018

OUTRA VEZ




E outra vez
Chegando de longe
Ela me traz
           Uma estrela  
           Um pedaço de sol
 Uma fatia de plutão
O bolso cheio de infinitos
Me prometendo
O sonho mais bonito
             E vazio
             Um coração
                                    
Valdeli.Vilanova
Guarulhos.

In fanzzine versos livres, edição 04
                                         


quinta-feira, 31 de maio de 2018

TE ENCONTRO



TE ENCONTRO, NO SILÊNCIO DAS HORAS INCERTAS, 
NO MOMENTO EM QUE A LÁGRIMA ESPONTÂNEA
TEIMA EM CAIR PELA SAUDADE.
NO MOMENTO EM QUE O RISO FÁCIL
DENUNCIA A LEMBRANÇA DE UM MOMENTO FELIZ.
NO MOMENTO EM QUE UMA ROUPA SE EXIBE NO ARMÁRIO
LEMBRANDO UM MOMENTO ESPECIAL.
TE ENCONTRO, NO SILÊNCIO DAS HORAS INCERTAS,
EM QUE A LEMBRANÇA DE UM ENCONTRO,
SE FAZ PRESENTE EM UM SONHO,
EM QUE, DE REPENTE, UMA FOTO ANTIGA
APARECE EM MEIO AOS PERTENCES.
EM QUE A RIMA DE UM VERSO DE AMOR  
CONTA A HISTÓRIA DE NÓS DOIS.
TE ENCONTRO, NO SILÊNCIO DAS HORAS INCERTAS,
NAS HORAS INCERTAS, TÃO CHEIAS DE SILÊNCIO
.

VALENTINA FRAGA

domingo, 13 de maio de 2018

CINCO POEMAS DE AMOR


Nas postagens anteriores ,com os poemas de Paulo M e Leonardo Santarolli,iniciamos a série "Poemas de Amor", do projeto "Cinco Poemas", com textos extraídos preferencialmente do fanzine Versos Livres. A série prossegue com Valentina Fraga, Clarissa Corrêa e Valdeli Vila Nova.

No post de hoje,trago Anderson Delano (.andersondelano.com)

Bibliografia ;
Jus Sanguinis — 2005
Laudas Alaudadas — 2008
140 Microcontos — 2013
Aquarelas de Um Aquário Imaginário — 2018

Coração


Deixar ir é um ato de Amor,
Nem sempre a flor bruta brota,
No horto ou na Aorta

Anderson Delano